João Bartolomeu demitiu-se: "São 25 anos a aturar isto"

Dirigente criticou o "comportamento de meia dúzia de atletas, que só querem dinheiro."

João Bartomoleu apresentou esta sexta-feira a demissão do cargo de presidente da União de Leiria, após o plantel ter recusado treinar devidos aos salários atraso, que levaram à rescisão unilateral dos jogadores Obradovic e Luís Leal ainda esta semana.

"São 25 anos a aturar isto. Estou saturado. Ordenados em atraso há em todos os clubes, não só no UD Leiria. Até o presidente do Sindicato diz que 80 por cento dos clubes não pagam salários", frisou o dirigente, citado pelo jornal A Bola.

Bartolomeu teceu críticas ao "comportamento de meia dúzia de atletas, que só querem dinheiro", apresentando a demissão dois dias depois de Obradovic e Luís Leal terem rescindido com os leirienses, por não receberem salário há mais de três meses.

A União de Leiria ocupa a penúltima posição da Liga, com 19 pontos, a quatro da linha de água. O jogo da próxima jornada, no terreno do Vitória de Guimarães, poderá sentenciar o futuro da equipa leiriense.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.