João Bartolomeu demitiu-se: "São 25 anos a aturar isto"

Dirigente criticou o "comportamento de meia dúzia de atletas, que só querem dinheiro."

João Bartomoleu apresentou esta sexta-feira a demissão do cargo de presidente da União de Leiria, após o plantel ter recusado treinar devidos aos salários atraso, que levaram à rescisão unilateral dos jogadores Obradovic e Luís Leal ainda esta semana.

"São 25 anos a aturar isto. Estou saturado. Ordenados em atraso há em todos os clubes, não só no UD Leiria. Até o presidente do Sindicato diz que 80 por cento dos clubes não pagam salários", frisou o dirigente, citado pelo jornal A Bola.

Bartolomeu teceu críticas ao "comportamento de meia dúzia de atletas, que só querem dinheiro", apresentando a demissão dois dias depois de Obradovic e Luís Leal terem rescindido com os leirienses, por não receberem salário há mais de três meses.

A União de Leiria ocupa a penúltima posição da Liga, com 19 pontos, a quatro da linha de água. O jogo da próxima jornada, no terreno do Vitória de Guimarães, poderá sentenciar o futuro da equipa leiriense.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.