Jackson Martínez é o rei dos goleadores em 2013/14

Avançado colombiano do FC Porto sagrou-se o melhor marcador da competição pela segunda vez consecutiva, sendo o primeiro jogador da I Liga a "bisar" na distinção desde Mário Jardel.

Jackson Martínez, ponta-de-lança colombiano do FC Porto, confirmou neste domingo o estatuto de melhor marcador da I Liga 2013/14, ao terminar a temporada com 20 remates certeiros, à frente dos brasileiros Derley, do Marítimo, e Rafael Martins, do Vit. Setúbal, que apontaram 17 e 15 golos, respetivamente.

No início da época 2012/13, poucos eram os adeptos que conheciam o nome de Jackson Martínez. Oriundo do Jaguares, do México, por 8,9 milhões de euros, o colombiano começou bem cedo a demonstrar o "faro" pelo golo, tendo terminado as duas primeiras - e possivelmente únicas - épocas no FC Porto com 60 golos entre todas as competições, o que lhe vale um lugar entre os 25 maiores goleadores da história do FC Porto.

Desde Mário Jardel, melhor marcador entre 1997 e 2000, que nenhum jogador da I Liga se sagrava rei dos goleadores em épocas consecutivas. Liedson, pelo Sporting, e Cardozo, pelo Benfica, foram duas vezes os melhores marcadores, mas em épocas alternadas.

Jackson Martínez, 27 anos, com contrato até 2016 e uma cláusula de rescisão de 40 milhões de euros, deverá deixar o FC Porto no final da época, uma vontade já assumida, sendo que os goleadores que completam o pódio da I Liga, Derley e Rafael Martins, são nomes que interessam ao Sporting para reforçar o ataque.

Nota, ainda, para Lima, que foi o melhor marcador do campeão nacional, com 14 golos (4.º), e para Bebé, do Paços de Ferreira, melhor marcador português do campeonato, com 11 golos, atrás de Fredy Montero (13), do Sporting, de Rondón (12), do Nacional, e em igualdade com Rodrigo, do Benfica, e Evandro, do Estoril.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.