Jackson Martínez é o rei dos goleadores em 2013/14

Avançado colombiano do FC Porto sagrou-se o melhor marcador da competição pela segunda vez consecutiva, sendo o primeiro jogador da I Liga a "bisar" na distinção desde Mário Jardel.

Jackson Martínez, ponta-de-lança colombiano do FC Porto, confirmou neste domingo o estatuto de melhor marcador da I Liga 2013/14, ao terminar a temporada com 20 remates certeiros, à frente dos brasileiros Derley, do Marítimo, e Rafael Martins, do Vit. Setúbal, que apontaram 17 e 15 golos, respetivamente.

No início da época 2012/13, poucos eram os adeptos que conheciam o nome de Jackson Martínez. Oriundo do Jaguares, do México, por 8,9 milhões de euros, o colombiano começou bem cedo a demonstrar o "faro" pelo golo, tendo terminado as duas primeiras - e possivelmente únicas - épocas no FC Porto com 60 golos entre todas as competições, o que lhe vale um lugar entre os 25 maiores goleadores da história do FC Porto.

Desde Mário Jardel, melhor marcador entre 1997 e 2000, que nenhum jogador da I Liga se sagrava rei dos goleadores em épocas consecutivas. Liedson, pelo Sporting, e Cardozo, pelo Benfica, foram duas vezes os melhores marcadores, mas em épocas alternadas.

Jackson Martínez, 27 anos, com contrato até 2016 e uma cláusula de rescisão de 40 milhões de euros, deverá deixar o FC Porto no final da época, uma vontade já assumida, sendo que os goleadores que completam o pódio da I Liga, Derley e Rafael Martins, são nomes que interessam ao Sporting para reforçar o ataque.

Nota, ainda, para Lima, que foi o melhor marcador do campeão nacional, com 14 golos (4.º), e para Bebé, do Paços de Ferreira, melhor marcador português do campeonato, com 11 golos, atrás de Fredy Montero (13), do Sporting, de Rondón (12), do Nacional, e em igualdade com Rodrigo, do Benfica, e Evandro, do Estoril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.