FC Porto bate Benfica sob avaliação de Lopetegui

Benfica "poupou" a equipa titular para Turim e Lopetegui testemunhou um triunfo "cinzento" do FC Porto, no encerramento da época 2013/14. Ricardo brilhou e Jackson chegou aos 60 golos.

Primeiro, a notícia que o Dragão mais ansiava: terminou a época 2013/14. O FC Porto derrotou neste sábado o Benfica, por 2-1, na 30.ª e última jornada da I Liga, num "clássico" que nada decidia em termos classificativos. Jorge Jesus não utilizou nenhum dos jogadores que deverão ser titulares em Turim, na final da Liga Europa, enquanto Luís Castro (vai regressar à equipa B) cumpriu o último desafio como treinador principal do FC Porto, passando o testemunho a Julen Lopetegui, que tirou notas na tribuna a pensar em 2014/15.

O técnico espanhol terá testemunhado que este FC Porto tem mais problemas para resolver do que soluções para apresentar, mas destacaram-se dois nomes que valeram as notas recolhidas: Ricardo e Mikel. O extremo de 20 anos foi um incansável poço de energia, garra, velocidade e entrega, tendo inaugurado o marcador aos quatro minutos, com um remate cruzado. Muitas vezes utilizado como "tapa buracos" nas laterais, Ricardo mostrou poder ser um valor de futuro no Dragão, até porque o outro Ricardo - Quaresma - somou mais 90 minutos num mau momento de forma, que dificilmente valerá a presença no Mundial 2014.

Mikel, por sua vez, substituiu Fernando (castigado, não teve a oportunidade de se despedir do FC Porto em campo) com eficiência e somou pontos na luta por um lugar no plantel em 2014/15. Héctor Herrera destacou-se, a espaços, na primeira parte, e terá que ser alvo de uma grande "formatação" de Lopetegui para ser um indiscutível no Dragão, mas o compatriota Diego Reyes somou vários erros de principiante, um deles quando derrubou Salvio na grande área. Enzo Pérez aproveitou para fazer o empate para o Benfica, de penálti (26').

O Benfica, com o pensamento em Turim, aproveitou meramente para juntar cinco nomes à lista de 30 campeões: Paulo Lopes, Steven Vitória, João Cancelo, Lindelöf e Bernardo Silva tiveram direito a minutos no Dragão, mas o melhor voltou a ser - sem surpresa - Enzo Pérez (Sabella não tem melhor na sua posição e terá que ser criativo para justificar uma eventual ausência do Mundial 2014), que "encheu" o meio-campo, enquanto o ponta-de-lança Funes Mori voltou a mostrar preocupantes deficiências técnicas.

No capítulo dos pontas-de-lança, Jackson Martínez faturou de penálti, aos 39', e chegou aos 20 golos na I Liga e 60 com a camisola do FC Porto, que terá vestido pela última vez. Jackson é o primeiro jogador pós-Jardel a ser melhor marcador da I Liga duas épocas consecutivas e tornou-se o 24.º maior goleador da história do FC Porto, superando McCarthy. O Benfica ainda tem Taça de Portugal e Taça da Liga para conquistar, enquanto o FC Porto parte para férias, após concluída a pior época da era Pinto da Costa, que confia em Lopetegui para reerguer este Dragão sem "chama"... e travar a "chama imensa" da Luz.

Filme do jogo:

90+3' Final do jogo!

90+2' Cartão amarelo para Funes Mori, por travar Diego Reyes.

90' Três minutos de compensação...

87' Segunda parte candidata a pior do que se viu em "clássicos" nesta época. Pouca intensidade, pouca velocidade, nada em jogo.

84' Que falhanço de Quintero! O colombiano recolheu a bola na grande área e, com Paulo Lopes fora da baliza, tinha tudo para faturar, mas atirou ao lado do alvo.

82' Substituição no Benfica. Saiu Djuricic e entrou Bernardo Silva. Jorge Jesus juntou seis nomes à lista de campeões nacionais.

79' Substituição no FC Porto. Saiu Quaresma e entrou Kelvin.

78' Um ano depois (mais concretamente 11 de maio de 2013), Kelvin regressa para defrontar o Benfica.

76' Remate de Josué, a bola ressalta em Lindelöf e sobra para Paulo Jorge.

75' Cabeceamento de Jardel, a sair por cima do alvo.

74' Cartão amarelo para Alex Sandro, por derrubar Salvio. Lance mais do que justificável para vermelho direto.

73' Segunda parte de muito pouca qualidade no Dragão. O Benfica procura o empate, o FC Porto pouco tem feito para ampliar a vantagem e "matar" o jogo.

71' Substituição no FC Porto. Saiu Defour e entrou Josué.

70' FC Porto com 61% de posse de bola, mas a percentagem tem caído minuto após minuto na segunda parte.

67' Remate de Markovic, após bom lance de Salvio, por cima do alvo.

65' Substituição no Benfica. Saiu João Cancelo e entrou Lindelöf. Mais um campeão nacional para a lista.

64' Remate forte de Juan Quintero, para defesa de Paulo Lopes. Foi apenas o quarto remate do FC Porto à baliza, em 16 tentativas.

63' Mikel e Ricardo "agarram" a oportunidade dada por Luís Castro, para Lopetegui ver. Quaresma faz mais uma exibição para esquecer e, assim, ainda mais difícil será ir ao Mundial 2014.

61' Substituição no FC Porto. Saiu Herrera e entrou Juan Quintero.

60' Substituição no Benfica. Saiu Ivan Cavaleiro, muito apagado, e entrou Markovic.

58' O jogo é a "feijões", mas Danilo e Enzo Pérez vivem o clássico com a típica intensidade sul-americana. Rui Costa pede calma.

56' André Gomes tenta o remate, mas a bola sai por cima do alvo. Quinto remate do Benfica (dois à baliza), contra 13 do FC Porto (três à baliza).

55' Remate de Defour, a passe de Quaresma, sem perigo.

54' Livre de Enzo Pérez, contra a barreira.

54' Benfica ganha livre em zona perigosa, num lance em que Ricardo não faz qualquer falta. Muitos protestos do lado do FC Porto...

53' FC Porto entra muito mal na segunda parte. Está melhor o Benfica, a aproveitar as várias falhas portistas na saída de bola e início de construção.

50' Josué, Quintero e Kelvin aquecem no FC Porto. No Benfica, Lindelöf, Bernardo Silva e Markovic fazem exercícios.

48' Djuricic atira à trave! Desentendimento entre Maicon e Fabiano, que Djuricic aproveitou para fazer um "chapéu" ao guarda-redes, mas a bola bateu na trave. Funes Mori não teve garra na recarga e permitiu o corte de Maicon.

48' Jackson Martínez isola Reyes, que ganha posição a Jardel, mas depois o mexicano não conseguiu finalizar, ficando a pedir um penálti que não pareceu existir.

46' Início da segunda parte. Bola para o FC Porto, sem alterações ao intervalo.

45' Intervalo no Dragão, com 2-1 para o FC Porto

45' Defesa de Paulo Lopes, a remate de Jackson Martínez, após boa iniciativa de Quaresma e Herrera, com o mexicano a não conseguir rematar.

42' Jackson Martínez chegou aos 60 golos pelo FC Porto, superando o sul-africano Benni McCarthy. É o 24.º melhor marcador da história dos dragões, a um remate certeiro de Kostadinov e Lucho González.

40' Cartão amarelo para Jardel, por derrubar Jackson Martínez.

39' GOLO DO FC PORTO! JACKSON MARTÍNEZ FAZ O 2-1! O rei dos goleadores na I Liga, desta vez, meteu o penálti na "gaveta", apesar da estirada de Paulo Lopes. É o 20.º golo na I Liga e vai, certamente, ser novamente o melhor marcador.

38' Penálti para o FC Porto! Cartão amarelo para André Almeida. Quaresma, desta vez, fez tudo bem, ao cruzar para Jackson, e o colombiano acabou derrubado por André Almeida quando tentava finalizar. Vai bater o colombiano...

36' À imagem dos últimos dois "clássicos" no Dragão, o FC Porto entrou bem e a criar várias ocasiões de golo, mas com o desenrolar da partida vai perdendo "gás", intensidade e velocidade.

34' Pontapé livre de Danilo, por cima. Nunca mais mostrou o jeito para pontapés livres que chegou a parecer ter na pré-época.

31' Remate de Funes Mori, após perda de bola de Alex Sandro e cruzamento de Salvio, a sair por cima do alvo.

30' Dois Ricardos em campo, quem brilha não é Quaresma: o jovem extremo Ricardo Pereira tem sido o melhor do FC Porto. O "consagrado" ainda nada fez na partida e não mostra muita vontade em fazer o contrário.

28' O Benfica chega ao empate no Dragão sem ter precisado de construir um lance de ataque para isso. As águias têm apenas 27% de posse de bola e poucas vezes chegaram perto da grande área adversária, mas um erro de Reyes igualou o marcador.

26' GOLO DO BENFICA! ENZO PÉREZ FAZ O 1-1! No primeiro remate do Benfica, as águias fazem o empate no Dragão.

25' Penálti para o Benfica!Cartão amarelo para Reyes, num lance disparatado do mexicano, que em vez de "limpar" a grande área tentou sair a jogar, tendo derrubado Salvio.

23' Remate em vólei de Defour, a sair por cima do alvo. Está bem no jogo, o médio belga.

22' Nada tem saído bem a Quaresma até ao momento e o extremo não esconde o desânimo...

21' Mikel, em estreia como titular dos dragões, tem anulado facilmente Djuricic. Funes Mori não está a "ter bola" para aparecer.

19' Julen Lopetegui observa a sua nova equipa, que vai orientar nas próximas três épocas.

17' FC Porto com 74% de posse de bola e cinco remates, um à baliza. O Benfica ainda não rematou.

14' Belo início de jogo do jovem Ricardo, a causar várias dificuldades aos laterais do Benfica, Cancelo e André Almeida.

12' Benfica com notória falta de entrosamento entre os atletas e com dificuldades em passar do meio-campo. O "miolo" de combate do FC Porto, com Herrera e Defour, está a ser eficiente.

9' Jackson quase marcava! Remate de calcanhar à meia volta, do colombiano, que passa a rasar o poste! Paulo Lopes estava batido.

8' Defour perto do golo. O belga rematou à meia volta, mas Jardel conseguiu evitar aquele que seria o 2-0.

6' Excelente entrada do FC Porto no "clássico", com grande pressão e intensidade na partida.

4' GOLO DO FC PORTO! RICARDO FAZ O 1-0! O jovem extremo português abre o marcador bem cedo no Dragão, com um remate cruzado e rasteiro, à entrada da grande área. FC Porto entra a "matar".

3' Remate cruzado e perigoso de Ricardo, a ficar perto de faturar.

2' Danilo derrubado já perto de entrar na grande área, Rui Costa diz que não há nada.

1' Rui Costa apita para o início do jogo! Bola para o Benfica.

FC PORTO: Fabiano; Danilo, Diego Reyes, Maicon, Alex Sandro; Mikel Agu, Steven Defour, Héctor Herrera; Ricardo Quaresma, Ricardo e Jackson Martínez. Suplentes: Kadú, Abdoulaye, Juan Quintero, Silvestre Varela, Josué, Licá e Kelvin.

BENFICA: Paulo Lopes; João Cancelo, Jardel, Steven Vitória, André Almeida; André Gomes, Enzo Pérez; Salvio, Filip Djuricic, Ivan Cavaleiro; Funes Mori. Suplentes: Bruno Varela, Lindelof, Rúben Pinto, Bernardo Silva, Lazar Markovic, Hélder Costa e Rui Fonte.

FC Porto e Benfica encerram neste sábado (18.00) as respetivas participações na I Liga 2013/14, com um "clássico" no Estádio do Dragão que já não alterará nada em termos classificativos. A quatro dias de disputar a final da Liga Europa, o Benfica joga na Invicta com um "misto" de jogadores da equipa B e outros que não contam para Turim, enquanto os dragões despedem-se da temporada, no último jogo de Luís Castro antes da sucessão de Lopetegui.

Separados por uns impensáveis 16 pontos, FC Porto e Benfica defrontam-se pela quinta e última vez na época, sendo que todos os desafios foram disputados nos últimos quatro meses. Na I Liga, as águias venceram na Luz (2-0), golos de Rodrigo e Garay, e embalaram com esse triunfo para o título já confirmado; nas meias-finais da Taça da Portugal, o FC Porto venceu no Dragão (1-0), golo de Jackson, mas consentiu a reviravolta na Luz (3-1), com golos de Salvio, Enzo Pérez e André Gomes para o Benfica e de Varela para os ex-tricampeões.

No último desafio entre os rivais, o Benfica foi ao Dragão apurar-se para a final da Taça da Liga, no desempate por penáltis, após 0-0 no tempo regulamentar. Jorge Jesus e Luís Castro vão apostar em algumas novidades, na medida em que o técnico do clube da Luz levou oito "bês" na comitiva, enquanto o FC Porto não conta com Mangala, Fernando e Ghilas, três nomes candidatos a deixar o Dragão no fim da época, entre outros que vão participar no desafio. Rui Costa será o árbitro, num "clássico" que, ao contrário do que é clássico, de pouco vale... mas que ainda assim ninguém quererá perder.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.