Diogo Rosado. Máfia, indianos, o bairro e a ajuda de Rui Jorge

Reforço de janeiro do Paços de Ferreira, o médio tenta recuperar tempo perdido. Hoje defronta o clube que sonhou representar, o Sporting, e ao qual deu um título de juniores no último minuto.

Há jogadores que só pela forma como pisam ou andam pelo relvado não enganam. Diogo Rosado foi um desses casos. Brilhou em Alcochete, onde fez grande parte da sua formação e era visto como um médio de exceção portador de um pé esquerdo de luxo, mas na transição para sénior colecionou cenas dignas de um filme (ou de um livro) que têm vindo a retardar, não se sabe para sempre, uma carreira que se previa de êxitos.

Hoje, o Paços de Ferreira de Diogo Rosado defronta o Sporting, e o DN, antes deste jogo carregado de simbolismo para o futebolista nascido em Peniche, foi tentar perceber por que razão o atleta de 25 anos tarda em confirmar as expectativas. "Não sei muito bem o que é que se passou para não ter evoluído como muitos esperavam..."

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.