Danielsson rescinde contrato por "motivos familiares"

O internacional islandês, de 33 anos, rescindiu com o Belenenses, de modo a poder regressar a um clube da terra natal.

O internacional islandês Helgi Danielsson rescindiu o contrato que o ligava ao Belenenses, alegando "motivos familiares" para regressar ao seu país, anunciou o clube da I Liga na página oficial.

"Anunciamos que o jogador Helgi Danielsson já não faz parte do plantel do Belenenses. Na passada segunda-feira, o jogador pediu para que fosse libertado, pois, por motivos familiares, teria de jogar num clube perto de casa", pode ler-se no comunicado.

Por seu lado, o médio agradeceu ao presidente da SAD, Rui Pedro Soares, e ao treinador Lito Vidigal "a compreensão" pela situação, frisando que "foi um prazer" representar o emblema de Belém.

"Obrigado a todos pelo carinho demonstrado nesta minha passagem e desejo a maior sorte do mundo aos meus companheiros", referiu Danielsson, em declarações produzidas na página dos "azuis".

O internacional islandês, de 33 anos, chegou ao Restelo no início da época passada, proveniente dos suecos do AIK Solna, tendo participado em 31 jogos (25 como titular) e apontado um golo com a camisola da Cruz de Cristo.

Já esta época, Danielsson fez parte das escolhas de Lito Vidigal nas duas primeiras rondas da I Liga, tendo inclusivamente feito parte do "onze" que iniciou o último encontro, diante do Nacional da Madeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.