Craques entram em campo contra a fome

Personalidades do futebol, da televisão e da rádio, da moda, da música e mesmo da política vão jogar "Juntos pela Caritas contra a Fome", sábado, em Amarante

O Estádio Municipal de Amarante vai ser, de novo, palco do "Jogo Solidário", uma iniciativa promovida pela autarquia local e pela Cáritas Diocesana do Porto, agendada para as 16 horas deste sábado, dia 27 de dezembro.

Sob o lema "Jogamos Juntos pela Cáritas", o convívio juntará vários profissionais do futebol, desportistas em geral, figuras públicas e profissionais da televisão e rádio. O objetivo passa por angariar alimentos para auxiliar famílias carenciadas.

A organização deste encontro está a cargo do jornalista Manuel Fernandes Silva, da RTP, do ex-futebolista Renato Queirós e de Paulo Gonçalves, diretor da Cáritas Porto. A entrada para este jogo terá um valor simbólico: 2 quilos de alimentos. No ano passado foram angariadas três toneladas.

Nomes como Costinha, Nelson, Pedro Mendes, Paulo Alves, Rui Barros, Tulipa, Paulo Machado, Manuel Cajuda, Manuel José, Miguel Leal, Paulo Fonseca, Rui Quinta ou Rui Vitória são alguns dos profissionais de futebol com presença marcada neste Jogo Solidário, que contará também com figuras da comunicação social como Carlos Daniel (RTP), Álvaro Costa (Antena 3) ou João Ricardo Pateiro (TSF), os criadores de moda Hugo Costa e Luis Onofre, ou os manequins Ruben Rua, Jonathan e Kevin, entre outros.

Em Amarante, este sábado, a bola vai correr por uma boa causa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.