Carlos Oliveira é o novo presidente do Leixões

Carlos Oliveira foi esta sexta-feira eleito presidente do Leixões Sport Club, depois de ter vencido as eleições para os órgãos sociais para o triénio 2014/17, realizadas no pavilhão dos congressos de Matosinhos.

O ato eleitoral decorreu entre as 19:00 e as 24:00 e os seus resultados foram veiculados pelo clube através do seu sítio na internet. Carlos Oliveira, que encabeçou a lista A, recolheu 218 votos (63,7 %), enquanto a lista B, liderada por Duarte Anastácio, mereceu a confiança de 116 sócios (33,9 %) do clube do Mar.

"Num universo de pouco mais de três mil filiados" que podiam votar, de acordo com o clube, votaram apenas 342 associados, tendo-se registado apenas oito votos nulos e brancos (2,4 %).

Carlos Oliveira sucede a Mário Santos, que era presidente do Leixões Sport Club desde junho de 2013 e se demitiu em 22 de maio, juntamente com a sua direção, provocando assim eleições antecipadas.

Ainda candidato, Carlos Oliveira disse à agência Lusa que a sua prioridade passa por "reestruturar" o passivo do clube, que estima situar-se em "2,4 milhões de euros".

Outro dos seus objetivos é a "criação de um conselho estratégico com 10 ou 15 personalidades" oriundas do meio empresarial e outros, para "refletir sobre o Leixões e os seus problemas".

Carlos Oliveira adiantou ter convidado o presidente da Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto, para presidir a esse conselho e que o autarca "aceitou".

O novo presidente do Leixões é também o acionista maioritário da Sociedade Anónima Desportiva leixonense, com 56,3% do respetivo capital.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.