Captação de jovens futebolistas para bolsas nos EUA

Empresa Next Level promove, em Lisboa, a primeira captação de jovens interessados em estudar e jogar futebol nos Estados Unidos da América, iniciativa apoiada por Cédric, do Sporting.

A empresa Next Level vai realizar, no sábado, em Lisboa, a primeira captação de jovens interessados em estudar e jogar futebol nos Estados Unidos, através de uma bolsa que integra as vertentes da formação académica e o desempenho desportivo.

"É uma área em que não existe nenhuma outra empresa, neste momento, a fazer esse trabalho [em Portugal]. A Next Level faz as captações dos atletas a nível do futebol e cuida de todo o processo até à integração na Universidade. Posteriormente, acompanha os atletas durante o seu percurso académico e desportivo", explicou à agência Lusa o responsável pela empresa em Portugal, Tasslim Sualehe.

A Next Level Sports Europa é o braço europeu da Next Level Sports Brasil, que nos últimos dois anos enviou mais de 100 atletas para universidades norte-americanas.

Os jovens atletas selecionados recebem bolsas em que o apoio financeiro por parte da escola escolhida varia entre os 25% e 100%, dependendo da performance desportiva ou académica.

"Achei a ideia interessante, falei com o Yalli Oliveira - o fundador da Nextlevel Brasil - e decidimos abrir aqui em Portugal, para posteriormente abrirmos noutras capitais europeias. Pretendemos nos próximos três meses solidificar a nossa implantação em Portugal, com atletas portugueses", contou o empresário português, há mais de 20 anos no sector do Turismo.

A primeira captação em Portugal, dirigida a jovens entre os 13 e os 25 anos, acontece já no sábado, no Instituto de Agronomia, em Lisboa.

Nesta captação vão estar Cedric, do Sporting, e Carla Couto, a mais internacional das futebolistas portuguesas, com 145 jogos por Portugal. Ambos participarão num jogo com os jovens em observação.

Durante a captação, os atletas são avaliados e os selecionados são posteriormente preparados fisicamente, além de receberem formação específica em inglês. O modelo de negócio da Next Level assenta precisamente no facto de a inscrição na captação e o treino serem pagos.

"Os jovens selecionados pagam pelo seu treino e pela eventual colocação nas universidades nos Estados Unidos. Esse é o nosso trabalho e a nossa mais-valia", explicou Tasslim Sualehe.

Na primeira captação, as inscrições foram limitadas a um máximo de 24 jovens atletas, dos quais apenas cerca de 10 deverão ser selecionados. Um número reduzido que se deve à necessidade de a empresa "assessorar e encontrar o perfil de universidade ideal para cada atleta", explicou à Lusa o fundador da Next Level Brasil, Yalli Oliveira.

"O nosso trabalho é bem individualizado. Existem vários níveis de futebol universitário nos Estados Unidos. Há faculdades que se focam mais na parte académica, nos estudos, e não têm tantos bons jogadores. Sabem que os jovens estão lá para estudar e que o desporto apenas os ajuda financeiramente, através das bolsas. E existem universidades mais focados no desporto, em que a parte académica não é tão forte, mas os atletas são muito bons", explicou.

Yalli Oliveira, natural do Rio de Janeiro, conhece bem este percurso, uma vez que estudou numa universidade do Oklahoma, com uma bolsa de estudos para jogar futebol pela equipa da instituição. Depois de ter levado vários amigos jogadores para universidades norte-americanas, decidiu transformar o conceito num negócio, que agora chega a Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.