Bruno Saraiva, das distritais para o Olhanense

Sucessor de Manuel Cajuda tem 38 anos e estava a treinar o Moncarapachense, terceiro classificado da I divisão distrital do Algarve.

Bruno Saraiva, apresentado nesta quinta-feira como novo treinador do Olhanense, prometeu arranjar as soluções necessárias para que o clube, 14.º classificado da I Liga portuguesa de futebol, garanta a manutenção no final da época.

Bruno Saraiva, de 38 anos, sucede a Manuel Cajuda e protagonizou a segunda "chicotada psicológica" do clube algarvio, que iniciou a época com Sérgio Conceição no banco, e orientou hoje o primeiro treino e foi depois apresentado à comunicação social.

"Algumas das carências que detetei no plantel, ficam para mim. Estou focado em encontrar soluções para resolver esses problemas. Subscrevo o que disse o senhor Cajuda: que temos uma equipa com qualidade e que apresenta futebol suficiente para estar noutro lugar na classificação", garantiu o técnico.

Bruno Saraiva, que jogou no Olhanense na década de 90 e atualmente orientava o Moncarapachense, terceiro classificado da I divisão distrital do Algarve, estreia-se no domingo, diante do Rio Ave.

O técnico mostrou-se "consciente do risco" de tentar salvar a equipa algarvia de uma eventual descida de divisão, com três jornadas pela frente, nas quais o clube de Olhão defrontará ainda Sporting e Marítimo.

"A três jornadas do fim e com 18 dias de trabalho pela frente, venho para colaborar dentro daquilo que for possível a um técnico num grupo de trabalho, porque estamos a falar de um trabalho coletivo e não de um trabalho que irá só ser realizado por mim, pois apenas acrescentarei uma pequena parte", salientou.

Questionado sobre o "salto" dado da I divisão distrital para a I Liga, Bruno Saraiva recordou que já leva "dez anos como treinador de futebol".

"Há treinadores que chegaram à Liga sem antes terem treinado qualquer equipa. Joguei uns aninhos, tenho experiência de treinador e, para quem treina em condições desfavoráveis no distrital e chega aqui, com estas condições, penso que será até mais fácil explanar as nossas ideias", sublinhou.

Bruno Saraiva dirigiu um apelo aos adeptos: "Não é só nos momentos de euforia que necessitamos que estejam presentes. Precisamos deles mais nesta altura do que em alturas de celebração. Compreendam que em certos momentos do jogo não seremos uma equipa brilhante, mas seremos uma equipa determinada e convicta de que vai conseguir a manutenção".

O presidente do Olhanense, Isidoro Sousa, sublinhou que Bruno Saraiva foi a sua primeira escolha e que não teve "receios" na opção, elogiando "a personalidade, a força e a vontade de vencer" do novo técnico do clube.

João Lapa, preparador físico, e Rui Tavares, treinador de guarda-redes, transitam da anterior equipa técnica, ficando a faltar um adjunto, que ainda não foi escolhido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.