Bruno Moreira reforça ataque do Paços de Ferreira

O ponta-de-lança de 26 anos é reforço para a época 2014/15, após meio ano no "banco" do Desp. Chaves e sem ter feito qualquer golo na II Liga.

O Paços de Ferreira e Bruno Moreira chegaram a acordo e o avançado, ex-Desportivo de Chaves, vai representar a equipa da I Liga nas próximas duas temporadas, confirmou à Lusa o diretor desportivo pacense.

"O Bruno Moreira vai ser jogador do Paços, depois de termos chegado hoje a um entendimento", disse Marco Abreu, diretor desportivo pacense, que disse ainda que "o interesse no jogador já vinha do passado" e que "o contrato será válido por duas temporadas".

Formado no FC Porto, Bruno Moreira, de 26 anos, já representou as equipas do Joane, Varzim, Moreirense, Nacional, o CSKA Sofia, da Bulgária, na última época, concluída ao serviço do Desportivo de Chaves, da II Liga, tendo alinhado em oito encontros, apenas um deles a titular. Nas últimas duas épocas, fez apenas dois golos.

Bruno Moreira é o segundo reforço do Paços de Ferreira para 2014/15, depois de o médio ofensivo Vasco Rocha, contratado ao Desportivo das Aves, igualmente da II Liga.

Os pacenses serão treinados por Paulo Fonseca, ex-FC Porto, em 2014/15.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.