Benfica e FC Porto jogam dia 30, um dia depois do Sporting

A visita do Benfica, líder do campeonato de futebol, ao estádio do Sporting de Braga, em jogo da 25.ª jornada da prova, realiza-se no domingo, 30 de março, às 17.00, informou esta sexta-feira a Liga de clubes.

De acordo com o comunicado publicado no sítio oficial do organismo na Internet, outro dos encontros mais apelativos da ronda, a receção do Sporting, segundo classificado, ao Vitória de Guimarães, sétimo, está agendado para o dia anterior, com início às 20.15, sendo ambos transmitidos em direto na Sport TV.

A partida do tricampeão FC Porto, atual terceiro posicionado, no recinto do Nacional, que ocupa a quinta posição, encerra a jornada do domingo, a partir das 19:15, também com transmissão em direto no canal codificado.

Os "aflitos" Belenenses e Paços de Ferreira, penúltimo e antepenúltimo colocados da I Liga, respetivamente, abrem a ronda na sexta-feira, disputando um jogo muito importante na luta pela manutenção, com início às 20:00 e igualmente transmitido pela Sport TV.

I Liga

Programa da 25.ª jornada:

Sexta-feira, 28 mar:

Belenenses - Paços de Ferreira, 20.00 (Sport TV).

Sábado, 29 mar:

Sporting - Vitória de Guimarães, 20.15 (Sport TV).

Domingo, 30 mar:

Arouca - Vitória de Setúbal, 16.00.

Académica - Olhanense, 16.00.

Estoril-Praia - Rio Ave, 16.00.

Gil Vicente - Marítimo, 16.00.

Sporting de Braga - Benfica, 17.00 (Sport TV).

Nacional - FC Porto, 19.15 (Sport TV).

II Liga

Programa da 36.ª jornada:

Sábado, 29 mar:

Benfica B - Desportivo de Chaves, 16:00 (Benfica TV).

Leixões - Marítimo B, 16:00.

Domingo, 30 mar:

Desportivo das Aves - Santa Clara, 11:15 (Sport TV).

FC Porto B - União da Madeira, 15:00 (Porto Canal).

Farense - Feirense, 15:00.

Sporting B - Oliveirense, 16:00.

Portimonense - Sporting de Braga B, 16:00.

Trofense - Sporting da Covilhã, 16:00.

Atlético - Académico de Viseu, 16:00.

Beira-Mar - Tondela, 16:00.

Penafiel - Moreirense, 16:00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.