Benfica B bate Oliveirense na abertura da 16.ª jornada

Num jogo em que o melhor ataque e a pior defesa da segunda Liga se defrontaram, o ataque conseguiu levar a melhor, vencendo por 4-3.

O Benfica B, que soma agora 35 golos marcados e revalida-se como melhor ataque da II Liga, entrou cedo a marcar. Aos cinco minutos de jogo Bernardo Silva abriu as hostilidades e à meia hora, com um potente remate, Hélder Costa dilatou a vantagem.

Rui Lima ainda reduziu para a UD Oliveirense, mas de pouco valeu, já que perto do intervalo André Gomes fez o 3-1.

Na segunda metade, o Benfica B entrou pior e acabou por conceder o empate, com um "bis" de Guima, que acabou por ser expulso aos 81 minutos. Admoestado com o cartão vermelho foi também Hélder Costa, concedendo um pénalti aos visitantes, que Bruno Varela defendeu.

Nos instantes finais da partida e com tudo empatado, Cancelo cruzou e Sancidino Silva cabeceou para o fundo das redes, salendo o resultado final.

O Benfica B, que subiu à condição ao 8.º posto, soma agora 24 pontos e a UD Oliveirense apenas 16, no 17.º lugar, sendo a pior defesa do campeonato, com 35 tentos concedidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.