Avançado luso-guineense sonha jogar por Portugal

Aladje, 18 anos, é um avançado luso-guineense, titular da equipa B do Padova, da Serie B em Itália. Chegou a território transalpino e ganhou a titularidade. Aponta às seleções jovens de Portugal.

Um dos sonhos de Alberto Aladje Gomes de Pina, 18 anos (nasceu na Guiné-Bissau no dia 22 de Outubro de 1993), conhecido no mundo do futebol simplesmente como Aladje, é representar as seleções jovens de Portugal. E segundo confessou ao DN uma fonte próxima do jovem atacante, Aladje, que gostaria de envergar a camisola da seleção nacional portuguesa de sub-20 anos, "tem talento de sobra para alcançar os objetivos a que se propõe".

Aladje, que no passado ano de 2011, no verão, assinou um contrato válido por dois anos com o conjunto do Padova, da Serie B em Itália (corresponde à Liga Orangina, Liga de Honra em Portugal), é neste momento titular indiscutível da equipa B do Padova, sendo que, ao mesmo tempo, já despertou a cobiça de grandes emblemas de Itália, segundo soube o DN. Casos, por exemplo, da Juventus de Turim, também do Inter de Milão e, igualmente, do AC Milan.

Aladje, que já defrontou, de resto, quer o Inter de Milão quer o AC Milan, com a camisola da equipa B do Padova, é um jovem avançado, canhoto, dono de um forte remate e possuidor de um bom jogo de cabeça. Garante ao DN, quem o conhece bem, que se trata de um promissor e talentoso dianteiro, cuja mobilidade em campo não tem passado despercebida a quem segue, com particular atenção, os jogos do Padova em Itália.

Oriundo da Academia Vitalaise, sediada na Guiné-Bissau, Aladje, filho de pai luso-guineense e de mãe guineense, tem passaporte português. Independentemente do facto de se estar a notabilizar em Itália (já lhe perguntaram, inclusivamente, se estaria, um dia, disponível para representar as selecções jovens transalpinas), Aladje já fez saber, no entanto, através do seu empresário, que por agora uma das suas principais metas, em termos de carreira, passa poder vir a representar, no futuro, uma das seleções jovens de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.