António Costa espera dérbi com "golos e espetáculo"

António Costa, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, assume o benfiquismo mas não arrisca um palpite para o grande dérbi deste sábado em Alvalade com o Sporting.

António Costa, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, assumido adepto do Benfica, não poupa elogios ao Sporting, sendo que, quando desafiado pelo DN a arriscar um prognóstico para o dérbi deste sábado no Estádio José Alvalade (20.00, Sport TV, terceira jornada da Liga portuguesa de futebol 2013/2014), fugiu à questão, revelando-se politicamente correto.

O edil da câmara lisboeta, entrevistado pelo Diário de Notícias no Quiosque da Ribeira das Naus, no Cais do Sodré, em Lisboa, espera um dérbi entre Sporting e Benfica com "muitos golos e espetáculo", antevê.

António Costa, que fez questão de realçar, desde logo, a importância que um Sporting - Benfica ou um Benfica - Sporting, para muitos "o dérbi dos dérbis", têm para a cidade de Lisboa, a todos os níveis, vai marcar presença no próximo sábado, 31 de agosto de 2013, em Alvalade, Lisboa, para assistir ao vivo ao duelo entre os leões, treinados por Leonardo Jardim, e o clube da Luz, comandado por Jorge Jesus.

Importa recordar que, enquanto presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa já recebeu nos Paços do Concelho o Sporting, na qualidade de vencedor da Taça de Portugal; bem como o Benfica, neste último caso por altura em que os encarnados se sagraram campeões nacionais de futebol pela última vez. Corria, então, a temporada desportiva de 2009/2010.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...