Adeptos condenados com penas suspensas

Dois dos três adeptos de futebol detidos por posse de engenhos explosivos durante o Benfica-Sporting foram hoje condenados a penas de dois anos e dois anos e meio, suspensas por períodos iguais.

Diolávio Nogueira, 23 anos, foi condenado com uma pena de dois anos, suspensa por igual período, por ter sido apanhado com um petardo de fabrico artesanal antes do início do jogo, enquanto José Silva, 35 anos, foi punido com uma pena de dois anos e seis meses, suspensa por igual período, por ter brandido uma tocha incendiária na altura do golo do Benfica.

Os dois arguidos, que incorriam numa moldura penal entre dois e oito anos de prisão, definida pela Lei das Armas, foram também condenados na pena assessória de interdição de entrada em recinto desportivo, no caso de Diolávio Nogueira pelo período de um ano e no de José Silva de um ano e seis meses.

Membro da claque sportinguista Directivo Ultras XXI, Diolávio Nogueira está obrigado a comparecer no posto policial da sua área de residência no dia e na hora em que jogue a equipa profissional de futebol do Sporting, em qualquer competição e em qualquer local, o mesmo sucedendo com José Silva relativamente aos jogos do Benfica, do qual é adepto.

A juíza considerou que José Silva, que tem antecedentes criminais de natureza semelhante, praticou um ilícito de grau "medianamente elevado" e agiu de forma dolosa, ao brandir a tocha incendiária "no meio de um grupo numeroso de pessoas".

Benfica e Sporting defrontaram-se em 26 de Novembro no estádio da Luz, em jogo da 11.ª jornada da Liga de futebol, ganho pelos "encarnados" por 1-0.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.