Académica participa à PJ desaparecimento de Éder

O futebolista Éder, da Académica, desapareceu este sábado no Porto, depois de ter sido deixado por dirigentes num hotel para negociar a transferência para o West Ham, de Inglaterra.

Segundo uma fonte disse à Lusa, a Académica tinha acertado a transferência do avançado para o West Ham e, após o jogo da 17.ª jornada da Liga com o Rio Ave, em Vila do Conde, Éder foi conduzido a um hotel no Porto para acertar o acordo com representantes do clube inglês.

No entanto, de acordo com a mesma fonte, o avançado desapareceu e os emissários do West Ham também desconhecem o seu paradeiro, pelo que o presidente da Académica, José Eduardo Simões, acompanhado pelo vice-presidente Luís Godinho, decidiu participar o sucedido à Polícia Judiciária do Porto.

A mesma fonte adiantou que o clube vai abordar o assunto no este domingo, numa conferência de imprensa ainda sem hora marcada.

Éder, jogador de 24 anos nascido na Guiné-Bissau, que tem sido cobiçado por vários clubes, disse após o jogo com o Rio Ave que iria "analisar as propostas reais que existem e decidir de acordo com isso", sem confirmar a origem das ofertas.

"Não sei se foi o último jogo, ainda faltam alguns dias, vamos ver o que acontece. Vou decidir nestes dias. Ainda não tenho a certeza", afirmou Éder, negando ter sido contactado pelo FC Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.