Henrique Calisto define permanência como objetivo

O novo treinador do Paços de Ferreira diz que não é "um bombeiro de serviço", mas espera assegurar "o mais rapidamente possível" a manutenção na I Liga.

O novo treinador do Paços de Ferreira, Henrique Calisto, defendeu como prioridade "recolher dados do plantel" e garantir o quanto antes a permanência na I Liga de futebol, afirmou nesta quarta-feira em conferência de imprensa.

"Acho que é um grupo forte, mas a classificação e as derrotas afetam a [n.d.r., o] moral e temos de estar atentos. A primeira tarefa é recolher dados da equipa e o grande desafio é permanecer na I Liga. Foi o que o presidente me pediu, como é óbvio, e o mais rapidamente possível", disse Henrique Calisto.

Numa sala de imprensa lotada, o experiente técnico, de 60 anos, recusou a ideia de ser um "bombeiro de serviço" no clube, admitindo que o seu passado recente e o conhecimento maior do clube e das pessoas possam ter pesado na escolha, esperando repetir o sucesso de há dois anos, quando resgatou a equipa do último lugar.

"Esta é uma situação que já vivemos, foi lidada há dois anos com sucesso, mas, acreditando sempre que é possível, são desafios diferentes", sublinhou o técnico, que terá como adjunto Lemos, numa equipa técnica que contará ainda com os "repetentes" Nuno Pinto, preparador físico, e Pedro Correia, responsável pelos guarda-redes.

Calisto lembrou que o clube tem um estatuto que não tinha há dois anos, em resultado do terceiro lugar conseguido por Paulo Fonseca na última época, mas advertiu que não se pode viver do passado e que a situação atual pede a união de todos.

"O Paços de Ferreira é um clube de bem, tem uma imagem muito positiva e os sócios são fundamentais e têm impacto no que concerne à motivação dos jogadores. As pessoas veem-se nos momentos difíceis", disse, evitando falar da polémica entre adeptos e presidente, apesar de se mostrar convicto da continuidade de Carlos Barbosa.

O técnico pacense elogiou também o balneário, "pela forma como os jogadores defenderam o seu treinador até às últimas consequências", e revelou intenção de falar com o seu antecessor, Costinha, reiterando confiança nos 26 jogadores do plantel.

"É cara conhecida do Paços de Ferreira, foi a escolha de toda a direção e esperamos que faça um excelente trabalho e que no final toda a gente tenha sucesso", afirmou, por sua vez, o presidente demissionário Carlos Barbosa sobre o técnico que "comandará" o Paços de Ferreira até ao final da época, com opção por mais uma.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG