GNR ignorou dicas de segurança dos 'spotters'

Agentes que seguiram 65 membros das claques do Benfica aconselharam a que se retivesse o grupo fora da Academia de Alcochete.

Enquanto Sporting e Benfica se travam de razões em comunicados, a GNR remete para hoje uma posição cabal sobre os incidentes de sábado em Alcochete que levaram à interrupção do jogo entre os dois clubes que decidia o campeonato de juniores. Mas, apurou o DN, a GNR ignorou a informação dos spotters (agentes da PSP que acompanham e vigiam as claques) no sentido de fechar os portões aos 65 membros das claques do Benfica que depois se envolveram numa troca de pedras.

O problema podia ter sido antecipado quando os spotters detectaram comportamentos violentos nos 50 membros dos No Name Boys e 15 dos Diabos Vermelhos que, no acesso à Academia, começaram a apedrejar carros por ali estacionados. Houve uma comunicação para a equipa da GNR que fazia a segurança dentro da Academia, alertando para o alto risco, mas os responsáveis entenderam que tinham condições para controlar estes 65 adeptos. No entanto, os 20 agentes não foram capazes de travar a chuva de pedras que feriram um adepto (escoriações tratadas no local) - um outro partiu o braço ao saltar uma vedação e foi conduzido ao hospital.

Segundo apurou o DN, este jogo foi preparado com especial cuidado. Pela primeira vez nas camadas jovens, houve lugar a uma reunião dos dirigentes do Sporting com as autoridades (GNR e spotters da PSP), na sexta- -feira. Os responsáveis leoninos, que não podiam optar pelo Estádio de Alvalade como nos dois últimos anos fizeram nas fases finais (vai haver um concerto), foram tranquilizados pelas forças da autoridade, que informaram que o jogo seria tratado como se se disputasse em Alvalade.

No entanto, a chuva de pedras aconteceu e o jogo foi interrompido. Logo depois de ter sido interrompido, os responsáveis do Sporting (liderados por Pedro Mil-Homens) e do Benfica (liderados por Manuel Ribeiro) reuniram-se nos balneários, tentando encontrar uma solução. A hipótese de se jogar 24 horas depois foi logo desencorajada por ambos, uma vez que obrigava a que fosse realizado no mesmo local, o que, unanimemente, foi considerado imprudente. Foi decidido que se tentaria arranjar depois uma data e local apropriados posteriormente. Mas, na altura, no entanto, ninguém se lembrou que a época termina amanhã, o que impedirá a realização do jogo depois dessa data

Ontem, os dois clubes trocaram acusações. O Benfica diz que alertou o adversário para o perigo de ser em Alcochete, o Sporting nega qualquer contacto. As águias dizem que os seus adeptos foram provocados e os leões negam.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG