Fernando Seara afasta-se do processo eleitoral

Ex-autarca toma a decisão por uma questão de "honra pessoal" face aos acontecimentos que envolveram o seu nome, mas mostra "indignação" perante os fundamentos apresentados pelo presidente da AG da Liga para rejeitar a sua canditatura

Fernando Seara anunciou esta terça-feira, em comunicado, que vai afastar-se do processo eleitoral da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), embora considere que a justificação apresentada para a rejeição da sua candidatura não tem suporte legal.

"Não posso deixar de expressar a minha profunda indignação relativamente aos fundamentos de rejeição da lista por mim apresentada, os quais não têm qualquer suporte regulamentar e violam frontal e gravemente o direito associativo", lê-se em comunicado subscrito pelo ex-presidente da Câmara Municipal de Sintra.

Na segunda-feira, o presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga, Carlos Pereira, rejeitou as candidaturas de Fernando Seara e Rui Alves e apenas admitiu a lista encabeçada por Mário Figueiredo, atual presidente daquele organismo, para as eleições que estão marcadas para quarta-feira.

"Sem prejuízo desta imensa indignação que não posso - nem admito - esconder ou branquear, quero comunicar que, perante todos os acontecimentos que pretenderam envolver o meu nome, decidi que, honrando a minha dignidade pessoal, não posso permanecer ligado a estas eleições e a estes acontecimentos", afirmou Seara, ex-presidente da Câmara Municipal de Sintra e atual vereador em Lisboa.

A candidatura encabeçada e subscrita por Fernando Seara foi considerada inválida por não apresentar qualquer lista candidata à Comissão Arbitral, um facto que o advogado reconhece, embora não veja motivo para a não aceitação da lista.

"Evidencio que o tempo para a apreciação das candidaturas foi bem longo, excessivamente longo, e poderia ter ocorrido na própria noite da passada sexta-feira. E, também, evidencio que não apresentei, conscientemente, como outros o fizeram em actos eleitorais anteriores, lista para a Comissão Arbitral. Não é razão jurídica, nem motivo regulamentar, para a exclusão de qualquer lista", sublinhou.

Fernando Seara diz que deixa "nas mãos dos clubes da Liga as formas de luta que entendam assumir" e anuncia o afastamento definitivo deste ou de futuros processos: "Não intervirei, por qualquer forma, neste ato eleitoral ou em qualquer outro que o substitua".

"Estará na minha mão a faculdade de encetar uma batalha judicial visando contrariar e destruir uma decisão que considero ilegal. Contudo, neste momento e perante os factos existentes, entendo que o não devo fazer porque o meu afastamento é motivado por razões mais profundas, que se prendem com os meus princípios", acrescenta o comunicado.

Assumido adepto do Benfica, Seara entende que os clubes e a Federação Portuguesa de Futebol devem procurar uma solução para aquilo que diz ser a falta de credibilidade da Liga.

Ameaçando responder "no momento e no local próprio" àqueles que o rotularam "de coisas indignas e falaciosas", Seara diz sair "de consciência bem tranquila" e pelo seu pé sem admitir que alguém se sobreponha à sua consciência ou comande a sua vontade.

A Mesa da AG da Liga rejeitou também uma outra candidatura em nome de Seara, mas que o próprio não subscreveu e não reconhecia como sua, e a da Rui Alves, por não apresentar lista para a Comissão Disciplinar nem para Comissão Arbitral, acrescendo o facto de à data do termo do prazo de apresentação de candidaturas, o candidato em causa estar registado, na Conservatória do Registo Comercial, como presidente da SAD do Nacional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG