FC Porto B e Moreirense partilham liderança

O FC Porto B venceu este domingo o Leixões, por 2-1, enquanto o Penafiel empatou a zero com o Portimonense, num jogo marcado pelo número de expulsões.

A equipa secundária do FC Porto recebeu e venceu o Leixões, por 2-1, no Estádio Dr. Jorge Sampaio, em Gaia. Os visitantes marcaram primeiro, aos 22', golo do avançado cabo-verdiano Mailó. Os homens da casa só responderam na segunda parte: Diego Reyes fez o empate aos 62', e, já perto do final, aos 83', o jovem formado no FC Porto Leandro Silva carimbou a reviravolta no marcador e estabeleceu o resultado final.

O Penafiel "escorregou" em casa com o Portimonense, 0-0 foi o resultado final. Apesar de não ter tido golos, o jogo teve três expulsões, duas para os algarvios e uma para os homens da casa.

A primeira expulsão deu-se aos 68', quando o jovem algarvio Mica Silva viu o segundo amarelo e consequente vermelho; a segunda expulsão também foi para o lado da formação de Portimão: o brasileiro Diogo Melo viu vermelho direto. Aos 90', após ver o segundo amarelo, o defesa do Penafiel João Pedro viu o vermelho.

Com estes resultados, o Penafiel atrasa-se em relação ao FC Porto B e ao Moreirense, que agora partilham a liderança da II Liga, com 54 pontos em 30 jogos, mais dois pontos do que os penafidelenses.

Restantes resultados da II Liga neste domingo:

Atlético - Moreirense, 0-1

Mendy (74)

-

Beira-Mar - Santa Clara, 0-2

Sandro Silva (24), Hugo Santos (38)

-

Feirense - Académico, 0-2

Icaro (9 g.p.); Cafú (45)

-

Sporting B - Tondela, 0-1

Lucas Romano (18)

-

Trofense - Aves, 1-3

Preciado (90); Pedro Moreira (32 g.p.), Fábio Martins (38), Vasco Rocha (66)

-

Chaves - União, 3-0

Barry (14, 68), Luís Pinto (50)

-

Farense - Marítimo B, 2-1

Hernâni (51, 73); Edivandio (43)

-

Oliveirense - Covilhã, 2-1

Godinho (46), Ely (57); Kizito (59)

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.