Árbitro chega a internacional sem nunca ter apitado os grandes

Tiago Martins, 34 anos, chega a árbitro internacional com apenas três jogos na I Liga. Mas antes, o gerente do Holmes Place do Dolce Vita Tejo teve de perder 15 quilos.

Tiago Martins é árbitro e filho de árbitro. Na semana passada, numa reunião que provocou grandes divisões no Conselho de Arbitragem, após voto secreto, foi decidido indicar o seu nome para a lista de internacionais para o lugar deixado vago por Olegário Benquerença. Assim, Portugal, que é um dos poucos países que têm nove árbitros na FIFA (são apenas cinco os países com esse elevado número de juízes), mantém essa quota, algo que os dirigentes consideraram da maior importância.

O novo internacional tem apenas três jogos na I Liga - o último dos quais no último sábado, no Estoril-V. Guimarães, que foi o jogo mais importante que dirigiu na sua carreira de 16 anos. Três jogos que são quatro, porque em 2012 era quarto árbitro num Académica-P. Ferreira quando substituiu Pedro Proença, que se sentiu mal (gastroenterite), a partir dos 11 minutos.

Três ou quatro jogos que sejam, nunca teve de lidar com as pressões dos grandes clubes ou de um clássico. E a idade, pelos parâmetros da arbitragem de hoje, já é de certa forma elevada - 34 anos.

Leia mais na versão impressa ou no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.