Árbitro chega a internacional sem nunca ter apitado os grandes

Tiago Martins, 34 anos, chega a árbitro internacional com apenas três jogos na I Liga. Mas antes, o gerente do Holmes Place do Dolce Vita Tejo teve de perder 15 quilos.

Tiago Martins é árbitro e filho de árbitro. Na semana passada, numa reunião que provocou grandes divisões no Conselho de Arbitragem, após voto secreto, foi decidido indicar o seu nome para a lista de internacionais para o lugar deixado vago por Olegário Benquerença. Assim, Portugal, que é um dos poucos países que têm nove árbitros na FIFA (são apenas cinco os países com esse elevado número de juízes), mantém essa quota, algo que os dirigentes consideraram da maior importância.

O novo internacional tem apenas três jogos na I Liga - o último dos quais no último sábado, no Estoril-V. Guimarães, que foi o jogo mais importante que dirigiu na sua carreira de 16 anos. Três jogos que são quatro, porque em 2012 era quarto árbitro num Académica-P. Ferreira quando substituiu Pedro Proença, que se sentiu mal (gastroenterite), a partir dos 11 minutos.

Três ou quatro jogos que sejam, nunca teve de lidar com as pressões dos grandes clubes ou de um clássico. E a idade, pelos parâmetros da arbitragem de hoje, já é de certa forma elevada - 34 anos.

Leia mais na versão impressa ou no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.