Udinese e Lazio vencem e aproximam-se da liderança

A Udinese e a Lazio venceram hoje o Lecce e o AC Milan por 2-1 e 2-0, respetivamente, na 21.ª jornada da Liga italiana de futebol, que teve ainda um sensacional Inter-Palermo, que terminou com um empate (4-4).

Destaque maior para a vitória da Lazio sobre o atual detentor do título, o que lhe permitiu aproximar quer do AC Milan quer da líder Juventus, cujo jogo frente ao Parma foi na terça-feira adiado devido às condições climatéricas, dos quais distam agora três e cinco pontos, respetivamente.

A Udinese acabou por cumprir, apesar da vantagem mínima, ao vencer o 18.º classificado da Seria A, o Lecce, que não pôde ainda contar com o ponta de lança búlgaro contratado ao Sporting, Valeri Bojinov, que nem sequer se sentou no banco.

Quanto ao sensacional Inter-Palermo, de realçar os quatro golos assinados por Diego Milito, um deles de penálti, e os três de autoria do ex-jogador do Benfica, Fabrizio Miccoli.

O único jogador que marcou um golo, além de Diego Milito e Fabrizio Miccoli foi o jogador do Palermo Mantovani, que abriu o marcador aos 17 minutos, antes do duelo particular entre o argentino e o italiano que vestiu a camisola do Benfica.

Nos restantes jogos disputados hoje, o Nápoles não foi além de um nulo no São Paolo frente ao modesto Cesena, 19.º classificado, enquanto o Cagliari recebeu e bateu a Roma por 4-2.

Entretanto, houve mais três jogos adiados devido ao mau tempo, o Atalanta-Génova, o Siena Catania e o Bolonha-Fiorentina, que se juntam assim ao Parma-Juventus que também não se disputou na terça-feira pelos mesmos motivos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.