Salamanca: 90 anos de história que chegam ao fim

Clube espanhol em que jogaram futebolistas portugueses como João Alves ou Pauleta foi esta terça-feira encerrado definitivamente pelos gestores judiciais

Depois de ter sido cancelada uma reunião entre os credores do clube hoje de manhã, por falta de comparência do número mínimo de pessoas necessário, Máximo Mayoral, um dos administradores de insolvência, comunicou que "hoje pode-se dizer, oficial e tristemente, que o Salamanca morreu".

Na reunião era esperada, entre outros, a presença de um representante do banco espanhol que detém mais de 50% dos créditos hipotecários do clube, pelo que, segundo Mayoral, depois desta ausência, não haverá agora condições para pensar no futuro do Salamanca e será iniciado nas próximas semanas o processo de liquidação dos bens do clube.

O Salamanca, fundado em 1923, esteve 12 temporadas na primeira divisão espanhola e contou em diferentes épocas com jogadores portugueses, sendo que um dos primeiros a destacar-se no clube foi o ex-internacional português João Alves, que, além de ter cumprido duas épocas como jogador na década de 70, foi também treinador do clube 1996/97.

Nesse ano de 1996, o Salamanca contratou sete jogadores portugueses para integrar o plantel da equipa -- Paulo Torres, Miguel Serôdio, Nuno Afonso, José Taira, César Brito, Agostino e Pauleta -- e foi o ex-avançado açoriano que mais se destacou como o principal goleador da equipa, cativando entretanto as atenções do Deportivo da Corunha, para o qual se transferiu em 1998.

Atualmente, o Salamanca estava na II divisão B, em que terminou na oitava posição nesta época, e contava apenas com um português no seu plantel, o defesa de 23 anos João Faria.

A decisão tomada hoje pelos gestores judiciais do Salamanca é o primeiro passo no processo de dissolução do clube, que deverá agora seguir para a realização de um leilão de forma a vender todos os seus bens, seguindo-se, segundo o jornal espanhol Marca, uma refundação do clube a partir das categorias regionais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...