Michel Platini nega envolvimento em escândalo do Qatar

Jornal inglês The Telegraph denuncia esta terça-feira que terá havido um encontro secreto entre o presidente da UEFA e o qatari Mohamed Bin Hammam, antigo membro do Comité Executivo da FIFA entretanto afastado por corrupção

"Não fico surpreendido por espalharem rumores infundados que visam manchar a minha imagem num momento importante para o futuro do futebol", refutou Platini num comunicado enviado à agência France Presse (AFP), reagindo à notícia do jornal inglês.

"Claro que conheci Bin Hammam, fomos membros do mesmo Comité. Tivemos várias conversas e tentou convencer-me a apresentar uma candidatura à presidência da FIFA em 2011. Mas acho incrível que uma conversa dessas seja transformada numa conspiração», frisou Platini, que afirmou publicamente ter votado no Qatar para organizar o Mundial 2022.

Segundo a informação publicada pelo The Telegraph, Platini ter-se-á encontrado com Bin Hamman pouco antes da FIFA divulgar a atribuição do Mundial de 2022 ao Qatar, em 2010.

Bin Hammam está no centro da polémica sobre a alegada corrupção no processo de eleição que levou à vitória do Qatar, tendo sido acusado de distribuir cerca de cinco milhões de euros em ações de suborno junto de diversas federações, em troca do respetivo voto. O dirigente qatari, ex-presidente da Confederação Asiática de futebol, foi banido do Comité Executivo da FIFA pelo Comité de Ética em 2011, quando tentou concorrer contra Joseph Blatter à presidência do organismo.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG