Vídeo: as motivações de Luís Figo para suceder a Blatter

O ex-futebolista português garante que tem a "visão reformadora" para restaurar a "credibilidade" e "transparência" da FIFA. "O jogo" é o foco da sua candidatura.

Luís Figo justificou a sua candidatura à presidência da FIFA, nas eleições que vão decorrer a 29 de maio, com a ambição de mudar o organismo e retribuir o que o futebol lhe deu.

"Devo o futebol o que sou e sinto que chegou a hora de retribuir tudo o que recebi, ao longo de tantos e tantos anos. Decidi candidatar-me a presidente da FIFA, foi uma decisão ponderada, assente na vontade de mudança, numa visão reformadora e na necessidade de dar mais transparência a uma instituição que vai perdendo credibilidade e a sua capacidade mobilizadora", afirmou Luís Figo, numa declaração em vídeo publicada no sítio da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) na internet.

Luís Figo, de 42 anos, anunciou ser o sexto candidato à presidência do organismo que rege o futebol mundial, depois de Joseph Blatter, atual presidente, Michel van Praag, presidente da federação holandesa, David Ginola, ex-jogador francês, Jérôme Champagne, candidato independente francês, e o príncipe Ali bin Al Hussein da Jordânia, vice-presidente da FIFA, confirmando o apoio da FPF.

"Quero agradecer à FPF, na pessoa de Fernando Gomes, o facto de me apoiar e ser a federação proponente desta candidatura. Somos um país que deu a conhecer novos mundos ao mundo, somos um país de futebol, somos um país com cinco bolas de ouro. Devemos ser também, por isso, um país e uma federação ativa e empenhada na mudança. Podem contar comigo", prosseguiu o antigo futebolista de Sporting, Barcelona, Real Madrid e Inter Milão.

O vencedor do prémio de melhor futebolista de 2001 e da Bola de Ouro de 2000 revelou, na mesma mensagem divulgada pela FPF, a sua vontade de mudança na FIFA.

"Olho para a reputação da FIFA e não gosto do que vejo. O futebol merece melhor. Ao longo das últimas semanas, meses e até anos, assisti a uma acentuada degradação da imagem da organização e sinto que é tempo de inverter esta realidade. A FIFA tem de voltar a ser uma instituição respeitada e acarinhada em todo o mundo", referiu.

Figo recorreu ainda à sua experiência futebolística para sustentar a sua capacidade de mudar a FIFA, para a qual exige que o "jogo" volte a ser a principal preocupação.

"O futebol, o jogo, tem de voltar a ser o foco da FIFA. Falei com muitas pessoas no futebol - jogadores, treinadores e presidentes de federações - e todos pensam que algo tem de ser feito. Fui jogador profissional, trabalhei no jogo a todos os níveis ao longo da minha vida e penso que sei o que é bom para ele", salientou.

As eleições para a presidência da FIFA, cujo prazo de candidatura termina a 29 de janeiro, decorrem a 29 de maio, no segundo de dois dias do congresso da FIFA, em Zurique, na Suíça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.