Vicente del Bosque pune falta de atitude de Fàbregas

A seleção de futebol espanhola viveu este sábado novo episódio polémico no Mundial, com o selecionador Vicente del Bosque a retirar o colete de titular ao médio Fàbregas, aparentemente agastado com a sua falta de atitude no treino.

De acordo com a agência de notícias espanhola EFE, a cena ocorreu numa "peladinha" do treino - aberto ao público - para ensaiar o último jogo da fase de grupos, contra a Austrália, na segunda-feira, para "cumprir calendário".

Del Bosque, que tinha disposto a seleção em duas equipas - prováveis titulares com coletes e reservas de equipamento preto -, cansou-se da falta de atitude do médio Cesc Fábregas (recentemente contratado pelo Chelsea) e retirou-lhe o colete em frente a todos, dando-o a Xabi Alonso.

Xabi Alonso recebeu o colete dos titulares e, segundo a EFE, um dos companheiros da seleção agarrou Fàbregas para que este não fizesse uma cena diante dos muitos órgãos de comunicação social que acompanhavam a sessão.

A campeã em título Espanha - já eliminada do Mundial - conta com duas derrotas em dois jogos: 5-1 contra a vice-campeã Holanda e 2-0 contra o Chile.

Na conferência de imprensa que se seguiu ao treino, o jogador Raúl Albiol foi questionado sobre o episódio, mas o defesa do Nápoles tentou desdramatizar.

"Não vi nada de estranho. Imagino que esteja tão 'chateado' como o resto da equipa e que todos os espanhóis por causa da eliminação. Nada mais. Todos gostaríamos de ter conseguido a qualificação e ele também. Não vi nada de estranho com o Cesc", reiterou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?