Scolari não quer ouvir falar em demissão

Luiz Felipe Scolari, selecionador do Brasil no Mundial, afirmou esta quarta-feira que não pretende falar da sua continuidade do cargo enquanto o torneio não terminar.

A saída de Scolari do cargo era dada como certa pela imprensa brasileira, que chegava mesmo a avançar para substituto com o nome de Tite, campeão brasileiro pelo Corinthians e atualmente livre de compromissos.

"Depois do Mundial vamos apresentar um relatório à direção da Confederação Brasileira de Futebol, onde se verá o bom e o mau que fizemos, depois depende da direção", disse o técnico, na conferência de imprensa de hoje, relembrando que o Brasil ainda jogará no sábado, para o terceiro lugar.

Acompanhado por toda a sua equipa técnica, no centro de estágio da seleção, em Teresópolis, disse que agora não se coloca a questão de saber se fica ou não no cargo e que "em caso algum" vai falar disso antes do jogo de sábado.

"Isso não passa pela minha cabeça agora", disse Scolari, relembrando depois que o acordo com o presidente da CBF, José María Marín, era que só se falaria da possível extensão do contrato depois da final.

O técnico admitiu que a derrota foi "histórica" e uma "vergonha", mas também que "não se pode acabar com a vida dos jogadores por isso". "Eu vou continuar com a minha vida, os jogadores também vão seguir com as deles. Continuam a ser vencedores e temos de continuar", disse.

"Pelo número de golos, é histórico. Mas também é história e tem de se registar que é a primeira meia-final a que chegamos desde 2002", argumentou.

Exclusivos