Rui Patrício e Jackson Martínez no "onze" ideal

O internacional português Rui Patrício e o avançado colombiano Jackson Martínez, jogadores de Sporting e FC Porto, respectivamente, foram selecionados para o "11" ideal da segunda jornada da Champions.

Rui Patrício e Jackson Martínez foram escolhidos para o "onze ideal" da segunda jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, fruto das respetivas exibições na derrota do Sporting, frente ao Chelsea (0-1), e no empate do FC Porto diante do Shakhtar (2-2).

Apesar da derrota do Sporting, Rui Patrício exibiu-se a grande nível e evitou que os leões fossem goleados. "Não vejo o Sporting jogar todas as semanas, mas o Rui Patrício joga cá há muito e não me lembro de uma exibição tão decisiva como hoje", elogiou Mourinho, que fim do jogo saltou do banco para o cumprimentar, afirmando: "Querias estragar-me a noite."

Quanto ao avançado colombiano dos azuis e brancos, esteve em destaque ao apontar os dois golos que salvaram o FC Porto de uma derrota na Ucrânia (2-2), nos últimos minutos da partida, apesar de só ter entrado em campo aos 65'.

Destaque ainda para a escolha do sul-coreano Son Heung-Min, que marcou e contribuiu para a grande exibição e vitória confortável do Bayer Leverkusen sobre o Benfica (3-1), que o colocou também no "11" ideal da 2.ª jornada da Champions.

Finda a jornada e contas feitas, destaque para o FC Porto, que tem, até ao momento, o melhor ataque da competição, com oito golos, sendo que Jackson Martínez e Yacine Brahimi figuram no pódio dos melhores marcadores da Liga milionária, ambos com três golos, tal como Welbeck (Arsenal).

Equipa ideal da 2.ª jornada da Liga dos Campeões:

Guarda-Redes: Rui Patricio (Sporting);

Defesas: Juanfran (Atlético de Madrid), David Luiz (PSG), Marquinhos (PSG), Marek Schý (FC Basileia);

Médios: Aleksandr Karnitskiy (BATE Borisov), Son Heung-Min (Bayer Leverkusen) e Shinji Kagawa (B. Dortmund);

Avançados: Totti (Roma), Welbeck (Arsenal) e Jackson Martinez (FC Porto)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.