Rui Águas é o novo selecionador de Cabo Verde

Estreia do sucessor de Lúcio Antunes vai decorrer dentro de um mês. Objetivo é qualificar a seleção de Cabo Verde para a CAN 2015.

O português Rui Águas vai ser o novo selecionador de futebol de Cabo Verde e terá um mês para preparar o primeiro jogo com a nova equipa, confirmou o presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF).

Em declarações à Rádio de Cabo Verde (RCV), Mário Semedo confirmou que para a escolha do treinador português, que vai substituir Lúcio Antunes, a FCF levou em conta a experiência enquanto treinador, mas também a sensibilidade para trabalhar no país.

O dirigente máximo do futebol cabo-verdiano lembrou ainda que Rui Águas tem licença UEFA Pro, o mais alto grau para licença de treinadores da UEFA, e já passou por clubes como Vitória de Setúbal e Estoril-Praia, além de ter sido adjunto de Jesualdo Ferreira no Sporting de Braga e integrado a equipa técnica de Artur Jorge na seleção portuguesa.

Além disso, Mário Semedo referiu que Rui Águas é casado com uma cabo-verdiana, o que lhe tem permitido seguir o futebol e visitar Cabo Verde com frequência.

"São requisitos mais do que suficientes", sublinhou o presidente da FCF, que não precisou a duração do contrato, mas garantiu que Rui Águas deverá ser apresentado na próxima semana, em Cabo Verde.

Mário Semedo indicou ainda que a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) foi uma grande parceria em todo o processo.

Atualmente com 54 anos, o antigo avançado terá como objetivo qualificar Cabo Verde para a Taça das Nações Africanas (CAN), a realizar em Marrocos, em 2015.

Os "Tubarões Azuis" têm como adversários na fase de apuramento Zâmbia, Níger e Moçambique, no Grupo F.

O primeiro jogo é já no dia 6 de setembro, contra o Níger, seguindo-se uma receção à Zâmbia, quatro dias depois.

Na terceira ronda, Cabo Verde mede forças com Moçambique, num jogo marcado para o dia 11 de outubro, em Maputo, e quatro dias depois recebe os moçambicanos na Cidade da Praia.

No mês de novembro, recebe o Níger e viaja até à Zâmbia para fechar a fase de apuramento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.