Rui Águas é o novo selecionador de Cabo Verde

Estreia do sucessor de Lúcio Antunes vai decorrer dentro de um mês. Objetivo é qualificar a seleção de Cabo Verde para a CAN 2015.

O português Rui Águas vai ser o novo selecionador de futebol de Cabo Verde e terá um mês para preparar o primeiro jogo com a nova equipa, confirmou o presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF).

Em declarações à Rádio de Cabo Verde (RCV), Mário Semedo confirmou que para a escolha do treinador português, que vai substituir Lúcio Antunes, a FCF levou em conta a experiência enquanto treinador, mas também a sensibilidade para trabalhar no país.

O dirigente máximo do futebol cabo-verdiano lembrou ainda que Rui Águas tem licença UEFA Pro, o mais alto grau para licença de treinadores da UEFA, e já passou por clubes como Vitória de Setúbal e Estoril-Praia, além de ter sido adjunto de Jesualdo Ferreira no Sporting de Braga e integrado a equipa técnica de Artur Jorge na seleção portuguesa.

Além disso, Mário Semedo referiu que Rui Águas é casado com uma cabo-verdiana, o que lhe tem permitido seguir o futebol e visitar Cabo Verde com frequência.

"São requisitos mais do que suficientes", sublinhou o presidente da FCF, que não precisou a duração do contrato, mas garantiu que Rui Águas deverá ser apresentado na próxima semana, em Cabo Verde.

Mário Semedo indicou ainda que a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) foi uma grande parceria em todo o processo.

Atualmente com 54 anos, o antigo avançado terá como objetivo qualificar Cabo Verde para a Taça das Nações Africanas (CAN), a realizar em Marrocos, em 2015.

Os "Tubarões Azuis" têm como adversários na fase de apuramento Zâmbia, Níger e Moçambique, no Grupo F.

O primeiro jogo é já no dia 6 de setembro, contra o Níger, seguindo-se uma receção à Zâmbia, quatro dias depois.

Na terceira ronda, Cabo Verde mede forças com Moçambique, num jogo marcado para o dia 11 de outubro, em Maputo, e quatro dias depois recebe os moçambicanos na Cidade da Praia.

No mês de novembro, recebe o Níger e viaja até à Zâmbia para fechar a fase de apuramento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.