Retirou-se aos 25 anos porque o futebol é "dinheiro e corrupção"

Javi Poves, jogador do Sporting Gijón, retira-se do futebol porque quer "ter uma vida limpa" e não quer "viver prostituído como 99% das pessoas".

O espanhol Javi Poves, defesa do Sporting Gijón (1ª Liga espanhola) anunciou hoje o final da sua carreira. Não por motivos de saúde, não pela idade (tem 24 anos). Javi Poves decidiu afastar-se do futebol porque é um mundo de "morte, dinheiro e corrupção".

"O futebol profissional é só dinheiro e corrupção. É capitalismo, e o capitalismo é morte. De que vale ganhar 1000 euros se 800 estão manchados de sangue? Não quero fazer parte de um sistema onde as pessoas ganham dinheiro graças à morte de outras na América do Sul, África ou Ásia", atirou.

Javi Poves diz querer viver "uma vida limpa" e não confia sequer nos bancos, guardando todo o seu dinheiro em casa. "Chamam-me um 'antissistema', mas apenas não quero viver prostituído como 99% das pessoas. Se não posso ter uma vida limpa em Espanha, tê-la-ei na Birmânia ou onde puder ter essa oportunidade", sublinhou.

Esta não é a primeira vez que o agora ex-jogador dá nas vistas pelo seu carácter. Quando ingressou no Gijón, o clube espanhol presentou os jogadores do plantel com um carro para cada um... mas Poves devolveu o veículo. "Sentia-me mal ao ter dois carros. Não precisava disso", explicou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...