Morreu Ottmar Walter, glória do Kaiserslautern

Ottmar Walter fez 295 golos em 17 anos ao serviço do Kaiserslautern e é o melhor marcador da história do clube da sua terra natal, onde faleceu aos 89 anos.

O antigo futebolista Ottmar Walter, que se sagrou campeão mundial pela Alemanha Ocidental em 1954, morreu neste domingo aos 89 anos em Kaiserslautern.

Ottmar era o irmão mais novo de Fritz Walter, que faleceu em 2002 e que capitaneou a histórica seleção que envergou pela primeira vez camisola da Alemanha Ocidental, após o país ter sido dividido em dois no final da II Guerra Mundial.

Durante a II Guerra Mundial, Ottmar Walter, que serviu na Marinha, foi gravemente ferido numa perna, que determinou o seu abandono precoce do futebol em 1956, após 20 internacionalizações, coroadas com oito golos, e 320 jogos disputados.

Ottmar Walter é o melhor marcador da história do Kaiserslautern, clube que representou em 17 dos seus 19 anos de carreira, tendo apontado 295 golos em 275 jogos. Sagrou-se duas vezes campeão, em 1951 e 1953.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...