Luis Enrique sai do Celta sem confirmar Barça

O ainda treinador do Celta de Vigo, Luis Enrique, anunciou esta sexta-feira que não vai orientar os galegos na próxima temporada, escusando-se a confirmar se vai ou não treinar o Barcelona.

"Creio que cumpri o objetivo pelo qual vim para Vigo. O clube passou por este ano de transição e crescimento na primeira divisão de forma folgada e creio que é chegado o momento de dizer ao clube que não vou continuar", afirmou o treinador, numa conferência de imprensa na qual surgiu acompanhado pelo presidente do Celta, Carlos Mouriño.

O técnico asturiano (natural de Gijón), cuja família ainda reside em Barcelona, assegurou não ter contrato assinado com a formação "culé".

"Não sei onde vou treinar no ano que vem. Não tenho nenhum acordo com ninguém, nem nada que se pareça, ainda que isso vos pareça incrível. Quando vos disse que tudo era especulação, era mesmo, quer tenham acreditado em mim ou não. Nada tenho a temer porque sempre disse a verdade", salientou.

Questionado diretamente sobre se vai substituir o argentino Gerardo "Tata" Martino no banco do Barça, Luis Enrique declarou: "Veremos se no futuro há alguma coisa a anunciar. Agora não há nada de que falar sobre o meu futuro. Para mim, hoje, é um dia triste e não posso comentar coisas antes de estas acontecerem".

O presidente do Celta explicou que o contrato de Luis Enrique permite a sua saída - já que era de uma época com mais uma de opção - e garantiu que as portas do estádio dos Balaídos vão estar sempre abertas para ele no futuro.

Luis Enrique, de 44 anos, jogou no FC Barcelona entre 1996/97 até 2003/04, ao serviço do qual venceu dois campeonatos de Espanha, duas Taças do Rei, uma Taça das Taças europeia e uma Supertaça europeia e treinou a sua formação secundária, entre 2008 e 2011.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.