José Mourinho admite interesse em Fàbregas

José Mourinho admitiu nesta quinta-feira que o Chelsea poderá avançar para a contratação do médio espanhol Cesc Fàbregas, que alegadamente está de saída do Barcelona, mas só depois do Mundial 2014.

"Estou interessado em estudar a situação de Fàbregas. Acho que ele está ansioso para deixar o Barcelona e motivado para regressar a Inglaterra. Acho que isso é claro. Agora, se vai assinar pelo Chelsea ou por outro clube, esse assunto não é para hoje, nem para amanhã, nem para antes do Campeonato do Mundo", afirmou José Mourinho.

O treinador português assumiu o interesse no internacional espanhol durante um evento organizado pela Yahoo, em Londres.

Formado no Barcelona, Fàbregas mudou-se muito novo para o Arsenal, em que acabou por permanecer durante oito temporadas, antes de regressar à Catalunha em 2011.

De acordo com a imprensa espanhola, o médio de 27 anos, que está a preparar o Mundial 2014 com a seleção espanhola, está de saída do Barcelona e deverá rumar a Inglaterra, podendo voltar a vestir a camisola do Arsenal ou então do Chelsea.

A sua saída, de resto, já foi dada como certa por Piqué, que foi "apanhado" numa conferência de imprensa da seleção espanhola - em que julgava que os microfones estavam desligados - a confidenciar a Del Bosque a saída do médio: "Ele disse-me que já está feito (...) Vai sair por 33 milhões de euros", disse o defesa, sem especificar o clube.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?