José António Camacho despedido do Osasuna

José António Camacho foi hoje despedido de treinador do Osasuna, depois da derrota 1-0 em casa da Real Sociedad, resultado que colocou a equipa de Pamplona no 18.º antepenúltimo lugar da liga espanhola em futebol.

O presidente do clube anunciou o despedimento do antigo técnico do Benfica depois de o clube ter caído na zona de despromoção da liga espanhola, na qual conseguiu apenas uma vitória nas últimas 11 jornadas. Este foi o vigésimo jogo consecutivo do Osasuna fora de casa sem ganhar.

Antes da derrota de domingo no Anoeta, o Osasuna tinha imposto em casa a segunda derrota na prova ao Real Madrid e empatado, também no seu estádio, com o Maiorca. Camacho, que ia na terceira temporada no Osasuna, não conseguiu esta época duas vitórias consecutivas e o cenário piora quando se avaliam os jogos fora: A equipa soma mais de um ano sem ganhar fora de Pamplona, conseguindo apenas dois pontos (de outros tantos empates) em 20 saídas.

O antigo lateral do Real Madrid, clube que também treinou, deverá ser substituído no cargo por José Luis Mendilíbar. José António Camacho tinha contrato com o Osasuna até ao final desta época. O Osasuna conseguiu esta época, em 23 jogos na liga, cinco vitórias, sete empates e 11 derrotas, 21 golos marcados e 30 sofridos, totalizando 22 pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.