Helena Costa vai treinar a seleção feminina do Irão

A treinadora portuguesa vai coordenar todo o futebol feminino no Irão, juntando-se aos compatriotas Carlos Queiroz, Toni e José Alberto Costa.

Os treinadores portugueses estão na moda no Médio Oriente. Toni, com o seu peculiar discurso em conferências de imprensa, é um dos técnicos do momento não só no Youtube, mas também no Irão. Carlos Queiroz, por sua vez, carrega, desde 2011, as esperanças iranianas em chegar ao Mundial 2014. Já José Alberto Costa, que trabalhou no Sporting e na seleção nacional, conduz o Sanat Naft a uma acesa luta com Tractor no campeonato. E, a partir da próxima semana, será a vez de Helena Costa tentar escrever sucesso em português no Irão.

A treinadora portuguesa vai orientar não só a seleção nacional do Irão, mas também coordenar os campeonatos nacionais, as seleções jovens (desde os sub-13 aos sub-19), a seleção olímpica e a formação de treinadoras femininas. A ex-campeã nacional pelo 1.º Dezembro e pelo Odivelas tem pela frente o maior desafio da carreira, depois de ter passado os últimos dois anos ao serviço da seleção feminina do Qatar.

"Tive algumas propostas na Europa mas em termos competitivos o Irão era claramente um desafio muito maior", revelou a treinadora, em declarações ao semanário Expresso. "Saí do Qatar à procura disto, porque queria algo mais competitivo e mais aliciante em termos desportivos. E é mais um teste a mim mesma", completou Helena Costa, que terá como primeiro objetivo a qualificação para a Taça da Ásia.

A experiência adquirida no Médio Oriente permitiu, ainda, que Helena Costa já esteja adaptada à cultura muçulmana e saiba que terá que andar, durante grande parte do tempo, com o cabelo tapado. "Isso não me incomoda. Até já arranjei alternativas ao lenço, como boinas. É uma questão de adaptação. Vou é para ganhar, o resto é conversa", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.