Guiné Equatorial qualifica-se para a CAN na condição de anfitriã

A seleção da Guiné Equatorial tinha falhado a qualificação para a CAN, mas ficou automaticamente qualificada por ser o país organizador.

A decisão de atribuir, nesta sexta-feira, a organização Taça das Nações Africanas (CAN) de futebol de 2015 à Guiné Equatorial, em substituição de Marrocos, coloca os guineenses na fase final de uma prova da qual tinham sido excluídos.

A escolha da Confederação Africana da Futebol (CAF), quanto ao organizador da competição, que vai ser disputada entre 17 de janeiro e 8 de fevereiro de 2015, é controversa, uma vez que a seleção anfitriã foi desclassificada da fase de qualificação, em julho.

A Guiné Equatorial quedou-se pela primeira eliminatória de qualificação para a CAN 2015, falhando o acesso à segunda ronda e à fase de grupos, que ainda decorre, por ter utilizado irregularmente um jogador nos embates com a Mauritânia.

A organização da CAN 2015 foi retirada a Marrocos, depois de o Governo de Rabat ter pedido o adiamento da competição para 2016 por medo da propagação do vírus Ébola, tendo a seleção marroquina sido igualmente excluída da prova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.