Guiné Conacri e Costa do Marfim empatam

A Costa do Marfim e a `outsider" Guiné Conacri empataram hoje 1-1 na estreia do grupo D da Taça das Nações Africanas (CAN2015) de futebol, disputado em Malabo.

Um golo do jovem avançado Yattara Jr., dos franceses do Lyon, deu uma vantagem surpresa à Guiné Conacri, que, em jogo muito equilibrado, parecia definitivamente lançada para a vitória após a expulsão do experiente Gervinho (57): Seydou Doumbia (72), dos russos do CSKA Moscovo, `redimiu" o seu companheiro com o empate que deixou tudo igual.

O novo Estádio de Malabo começou por ser palco de uma Guiné mais atrevida, entretanto colocada no lugar pela maior qualidade técnica do opositor, que teve em Gervinho o elemento ofensivo mais dinâmico.

O avançado da AS Roma, que sucedeu ao mítico Didier Drogba na `liderança" da equipa, viu o guarda-redes desviar para a trave (17), depois, em posição novamente privilegiada na área, atirou à figura (30 e 34).

Contra a corrente do jogo, um mau corte da defesa marfinense permitiu a Yattara Jr. (36) `fuzilar" para o primeiro golo do desafio, vantagem que ao intervalo premiava o maior acerto da equipa.

A Costa do Marfim não revelava a mesma solidez emocional do rival e, aos 57 minutos, Gervinho deu expressão a essa sensação, ao ser expulso, por agressão a um adversário.

Logo a seguir, Traoré evitou dois adversários, fletiu para o centro e rematou forte de fora da área, mas o pontapé foi devolvido pela trave, apenas dois minutos antes de Konstant também estar perto do 2-0.

Quando tudo parecia mais fácil para os pupilos do técnico francês Michel Dussuyer, uma combinação ofensiva permitiu a Seydou Doumbia (72) ficar na cara do guarda-redes e empatar (1-1), resultado que se revelou definitivo.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.