Golo tardio de Héldon dá apuramento a Cabo Verde

O avançado do Marítimo marcou, já em cima do minuto 90', o golo com que os cabo-verdianos bateram Angola (2-1) e que carimbou a passagem aos quartos de final da CAN.

Cabo Verde garantiu este domingo a passagem aos quartos de final da Taça das Nações Africanas (CAN), depois de bater no seu terceiro jogo do grupo A a seleção angolana por 2-1.

No Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, África do Sul, Héldon, avançado do Marítimo, acabou por ser o herói do encontro uma vez que foi graças a um golo seu, à passagem do minuto 90', que os 'tubarões azuis' carimbaram o acesso à fase seguinte naquela que é a sua primeira participação na maior prova de seleções do continente africano.

Antes do golo de Héldon, Fernando Varela tinha reposto a igualdade no marcador (81') e reacendido a esperança dos comandados de Lúcio Antunes, que fecharam esta fase com cinco pontos, na segunda posição do grupo, atrás da África do Sul que empatou (2-2) diante da congénere marroquina.

De fora dos 'quartos' fica Angola, orientada por Gustavo Ferrín, que até entrou melhor na partida e que esteve a ganhar por 1-0, devido ao autogolo de Nando (34'). No entanto, os 'palancas negras' não seguraram a vantagem e deixam assim a África do Sul com apenas um ponto conquistado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.