Frank Ribéry põe-se ao nível de Ronaldo

O francês considerou ser tão merecedor da Bola de Ouro como o português Cristiano Ronaldo, recordando que, apesar de ter menos golos marcados, tem mais títulos conquistados.

"É verdade que Cristiano Ronaldo marcou golos, mas eu também. É verdade que ele marcou mais, mas não temos o mesmo perfil de jogo. Apesar de não marcar tanto, eu incendeio as defesas", declarou o futebolista do Bayern de Munique numa entrevista publicada esta segunda-feira pelo diário francês "Le Monde".

Ribéry lembrou que a sua atuação foi decisiva na partida da segunda mão do play-off que deu à França o apuramento para o Mundial'2014 do Brasil.

"Provoquei a expulsão de três jogadores nos dois jogos [dois diretamente e um por acumulação de amarelos] e estive presente em dois dos três golos da equipa [marcados por Sakho e Benzema] no Estádio de França", sublinhou.

O jogador gaulês admitiu que "estes pormenores chamam menos a atenção", embora se manifeste confiante na conquista do galardão da FIFA para o melhor jogador do ano de 2013.

"Não tenho qualquer temor. Fiz o que tinha de fazer e agora só me resta esperar o resultado", declarou.

Frank Ribéry rejeitou a ideia de que o adiamento por duas semanas do encerramento da votação para o melhor jogador do ano, decidido pela FIFA, o possa prejudicar face ao futebolista português do Real Madrid.

"O que era importante para mim, para ganhar a Bola de Ouro, era manter o nível e apurar-me com a França para o Mundial. Até ao momento não cometi qualquer falha", sustentou.

Na entrevista, o jogador francês afirmou ter jogado ao mais alto nível durante todo o ano, tanto no Bayern como na seleção, e viu confirmado o troféu de melhor jogador da Europa atribuído pela UEFA.

"O que conseguimos na época passada com o Bayern foi histórico", disse ainda o jogador gaulês, numa referência às vitórias do clube bávaro na Liga e Taça da Alemanha e na Liga dos Campeões Europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.