FIFA vai aprovar leis anti-racismo já em 2015

Em causa está o Campeonato do Mundo de 2018, a realizar na Rússia. FIFA diz estar consciente que o "racismo no futebol russo é uma realidade".

A FIFA vai aprovar várias leis e sanções para evitar incidentes racistas no Campeonato do Mundo de futebol de 2018, a disputar na Rússia, anunciou nesta quinta-feira o secretário-geral do organismo, Jerome Valcke, em Pretória.

Em 2015, a FIFA espera ter uma série de sanções para combater a discriminação no futebol, afirmou Valcke, durante a cerimónia do fundo para o legado do Mundial da África do Sul de 2010, no valor de sete milhões de euros.

"No dia 2 de dezembro, o grupo de trabalho contra a discriminação vai ter uma reunião muito importante, na qual deverá participar o presidente da federação, Joseph Blatter", frisou Valcke, questionado sobre os recentes incidentes racistas ocorridos no futebol russo.

O secretário-geral da FIFA constatou que "o racismo no futebol russo é uma realidade", mostrando-se favorável à aplicação destas sanções "já nos jogos de apuramento para o Mundial 2018, para o qual a Rússia está automaticamente qualificada".

Valcke diz acreditar que "as pessoas devem saber exatamente o que acontece quando são violadas as regras da FIFA" e que esta medida vai prevenir possíveis incidentes durante o Mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.