Derlis González no Dínamo Kiev por 10 milhões

Avançado paraguaio foi vendido pelo Benfica ao Basel, em 2014, e agora ruma à Ucrânia com a cotação em alta.

O Dínamo de Kiev, clube de futebol ucraniano, anunciou hoje a contratação do internacional paraguaio Derlis González, de 21 anos, proveniente do Basileia, da Suíça, no seu sítio oficial.

O avançado paraguaio, que teve uma curta passagem pelo Benfica na época 2012/2013, chega ao clube ucraniano oriundo dos campeões suíços, onde lhe espera um contrato de cinco épocas.

No clube de Kiev, Derlis vai vestir a camisola número 25 e vai ser companheiro dos internacionais portugueses Antunes e Miguel Veloso.

Segundo informou a RTS, o valor da transferência rondará os 10 milhões de euros.

O paraguaio destacou-se na Liga dos Campeões da época passada, na qual o Basileia só caiu aos pés do FC Porto nos oitavos de final da prova. Ao serviço da sua seleção, Derlis foi titular absoluto na Copa América, que se realizou este ano no Chile e ajudou o Paraguai a chegar até às meias-finais da competição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.