Cristiano Ronaldo: 94 milhões "foi um valor justo"

O futebolista internacional português Cristiano Ronaldo, transferido para o Real Madrid pela soma recorde de 94 milhões de euros, disse hoje que o valor pago ao Manchester United foi o "justo", em entrevista ao jornal espanhol Marca.

"Acho que foi um valor justo. Se o Manchester e o Real chegaram a acordo acerca do valor, não há mais nada a acrescentar. Os grandes futebolistas são caros e, se tu os queres, te4ns de pagar. Estou feliz por ser o jogador mais caro do Mundo", sublinhou o jogador, na primeira entrevista que concedeu após a confirmação da transferência.

O Bola de Ouro de 2008 vai ser apresentado segunda-feira no Estádio Santiago Bernabeu e, depois do presidente madrileno ter convidado sexta-feira, através de uma carta, os portugueses a assistir ao vivo à cerimónia, estima-se que o recinto venha a estar cheio (80 000 pessoas), superando largamente as cerca de 50 000 que assistiram terça-feira à apresentação do brasileiro Kaká, adquirido por cerca de 65 milhões de euros ao AC Milan.

"O que mais quero é adaptar-me bem ao futebol espanhol, coisa que não vai ser muito difícil, e quero ajudar a equipa na sua temporada", afirmou na entrevista o internacional luso, que concluiu na última época uma ligação de seis anos aos ingleses do Manchester United.

Na entrevista, Ronaldo classificou o futebol espanhol "atractivo".

"É um futebol em que todas as equipas procuram jogar bem e, na minha opinião, os árbitros protegem mais os jogadores", disse o jogador, confessando ainda que, quando assinou pelos "merengues" sentiu um grande alívio.

Depois de atingir o objectivo "Real", Ronaldo lança-se agora na perseguição do seu principal objectivo de carreira: "O meu objectivo é ser o melhor jogador da história, ou um dos melhores... o melhor".

Os novos companheiros de Cristiano Ronaldo foram também referenciados na entrevista.

"Admiro a definição de Raul, o talento de Guti e a forma de agarrar de Iker Casillas", disse Ronaldo.

O jogador confessou-se igualmente ansioso para que chegue o momento da sua apresentação: "Segunda-feira será o maior momento da minha vida".

O número que vai usar na próxima temporada continua a ser uma incógnita - o 9 é o mais provável -, embora Ronaldo tenha afirmado que gostava do 17, mas que esse era já pertença do holandês Ruud Van Nistelrooy.

VR.

Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.