Cristiano Ronaldo: 94 milhões "foi um valor justo"

O futebolista internacional português Cristiano Ronaldo, transferido para o Real Madrid pela soma recorde de 94 milhões de euros, disse hoje que o valor pago ao Manchester United foi o "justo", em entrevista ao jornal espanhol Marca.

"Acho que foi um valor justo. Se o Manchester e o Real chegaram a acordo acerca do valor, não há mais nada a acrescentar. Os grandes futebolistas são caros e, se tu os queres, te4ns de pagar. Estou feliz por ser o jogador mais caro do Mundo", sublinhou o jogador, na primeira entrevista que concedeu após a confirmação da transferência.

O Bola de Ouro de 2008 vai ser apresentado segunda-feira no Estádio Santiago Bernabeu e, depois do presidente madrileno ter convidado sexta-feira, através de uma carta, os portugueses a assistir ao vivo à cerimónia, estima-se que o recinto venha a estar cheio (80 000 pessoas), superando largamente as cerca de 50 000 que assistiram terça-feira à apresentação do brasileiro Kaká, adquirido por cerca de 65 milhões de euros ao AC Milan.

"O que mais quero é adaptar-me bem ao futebol espanhol, coisa que não vai ser muito difícil, e quero ajudar a equipa na sua temporada", afirmou na entrevista o internacional luso, que concluiu na última época uma ligação de seis anos aos ingleses do Manchester United.

Na entrevista, Ronaldo classificou o futebol espanhol "atractivo".

"É um futebol em que todas as equipas procuram jogar bem e, na minha opinião, os árbitros protegem mais os jogadores", disse o jogador, confessando ainda que, quando assinou pelos "merengues" sentiu um grande alívio.

Depois de atingir o objectivo "Real", Ronaldo lança-se agora na perseguição do seu principal objectivo de carreira: "O meu objectivo é ser o melhor jogador da história, ou um dos melhores... o melhor".

Os novos companheiros de Cristiano Ronaldo foram também referenciados na entrevista.

"Admiro a definição de Raul, o talento de Guti e a forma de agarrar de Iker Casillas", disse Ronaldo.

O jogador confessou-se igualmente ansioso para que chegue o momento da sua apresentação: "Segunda-feira será o maior momento da minha vida".

O número que vai usar na próxima temporada continua a ser uma incógnita - o 9 é o mais provável -, embora Ronaldo tenha afirmado que gostava do 17, mas que esse era já pertença do holandês Ruud Van Nistelrooy.

VR.

Lusa

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.