CAN: Cabo Verde defronta Zâmbia, Tunísia e R. D. Congo

A seleção do Gabão, orientada por Jorge Costa, integra o grupo A, com Guiné Equatorial, Burkina Faso e Congo. Argélia, de Brahimi e Slimani, está no "grupo da morte".

Cabo Verde, o único membro dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) que se qualificou para a fase final da Taça das Nações Africanas (CAN), que se vai disputar entre os dias 17 de janeiro e 8 de fevereiro de 2015, na Guiné Equatorial, ficou nesta quarta-feira a conhecer os seus adversários.

A seleção treinada pelo português Rui Águas integra o grupo B da competição, juntamente com Zâmbia - detentor do troféu -, Tunísia e República Democrática do Congo.

Outra seleção que vai participar na fase final da CAN 2015 e que poderá interessar aos adeptos portugueses é o Gabão, que, sob o comando técnico da antiga glória do FC Porto Jorge Costa, integra o grupo A, juntamente com a Guiné-Equatorial (país sede), o Burkina Faso e o Congo.

Já a Argélia, de Brahimi e Slimani, foi sorteada para o grupo C, que poderá ser considerado o "grupo da morte", não fossem os outros membros o Gana, a África do Sul e o Senegal.

Sobra o grupo D, que é composto por Costa do Marfim, Mali, Camarões e Guiné.

Recorde-se que recentemente a designação do país organizador da mais importante prova desportiva disputada no continente africano foi alterada. Devido ao surto de Ébola, que se alastrou principalmente no norte de África, Marrocos, que deveria ser o país sede da CAN 2015, rejeitou prosseguir com a organização da competição, sendo substituído pela Guiné-Equatorial, como organizador e participante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.