Árbitro do Guiné Equatorial-Tunísia suspenso por seis meses

Polémica arbitragem no jogo dos quartos de final da CAN2015, que os anfitriões venceram

O árbitro Rajindraparsad Seechurn, das Ilhas Maurícias, foi hoje suspenso por seis meses, depois da polémica arbitragem no Guiné Equatorial-Tunísia, dos quartos de final da Taça das Nações Africanas (CAN) de futebol.

A decisão foi tomada pela comissão disciplinar da Confederação Africana de Futebol (CAF), depois de uma exibição de Seechrun muito contestada pelos tunisinos, em especial devido a uma duvidosa grande penalidade, já nos descontos, que levou o encontro para prolongamento.

Além da pena aplicada ao juiz, a CAF puniu ainda a Tunísia com uma multa de 50.000 dólares (cerca de 43,5 mil euros) pelo "comportamento insolente, agressivo e inaceitável dos jogadores e dos responsáveis" da equipa.

A federação tunisina terá ainda de pagar os estragos causados no Estádio de Bata e terá de apresentar, até à meia-noite de quinta-feira, uma carta formal com um pedido de desculpas ou provar as acusações de que teria havido um complô para colocar o país organizador nas meias-finais.

Caso não apresenta esta carta, a Tunísia incorre em mais sanções, que podem levar ao afastamento da equipa da CAN de 2017.

A federação da Guinés Equatorial foi também multada em 5.000 dólares (cerca de 4,3 mil euros) devido a uma invasão de campo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".