Andreia Norton. A nova aventura chama-se Barcelona

Foi a melhor jogadora dos últimos dois campeonatos, mas não imaginava chegar aos 18 anos a um dos melhores clubes do mundo.

Andreia Norton, 18 anos, está a viver um verdadeiro conto de fadas. A jogadora de futebol feminino do Clube Albergaria foi contratada pelo poderoso Barcelona, uma negociação que foi mantida em segredo e cujo anúncio oficial quarta-feira por parte do emblema catalão até deixou surpreendida a própria atleta e Paulo Alex, o seu empresário.

"Há muito tempo que estava tudo acertado com o Barcelona, mas estávamos proibidos de falar até que houvesse uma comunicação no site oficial do clube. Curiosamente, fomos avisados por algumas pessoas da notícia e tivemos de ir confirmar com os nossos próprios olhos", contou ao DN o agente Paulo Alex.

Foi a participação no Torneio de Elite de seleções nacionais de sub--19 que chamou a atenção do Barcelona. "Devem ter gostado das minhas exibições e obviamente que não poderia recusar o convite de um clube tão grande. Viajo para Espanha a 3 de agosto e só estou um bocadinho nervosa porque irei sozinha e não sei falar espanhol. Mas tudo irá correr bem!", descreveu a jogadora ao DN. Na Catalunha, além da vertente desportiva, terá um incentivo extra: um contrato profissional "chorudo", atendendo à realidade do futebol feminino português. "Vou dedicar-me ao futebol a cem por cento", revela, não escondendo a expectativa por disputar o competitivo campeonato espanhol e, claro, a Liga dos Campeões.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.