André Gomes espera Rodrigo, Enzo e Jackson em Valência

O novo jogador do Valência revelou ao jornal SuperDeporte que falou com o antigo colega de equipa Rodrigo sobre a nova aventura em Espanha e que lhe pediu "para ter paciência".

"Ele está à espera. O caso dele está mais complicado. Acredito que tudo se vai resolver e espero que venha para cá. Confio nisso", afirmou o jovem.

Recorde-se que os direitos económicos de Rodrigo estão na posse de um fundo ligado ao empresário Peter Lim, que está em negociações para a aquisição do Valência. Para já, o Benfica continua a manter os direitos desportivos do avançado.

Quanto às possíveis contratações de Enzo Pérez e Jackson Martínez, o médio confirmou as conversações e diz ser provável uma transferência dos dois atletas para o emblema espanhol.

"Enzo Pérez e Jackson Martínez são possibilidades. Falou-se com eles há tempos e é provável [que venham], mas tudo tem de ser acertado com Peter Lim e o clube", lembrou.

Em relação à nova experiência, André Gomes mostrou-se agradado com o sistema de jogo de Nuno Espírito Santo, um tradicional 4x3x3: "Joguei sempre como médio ofensivo desde que comecei há sete anos, no FC Porto. É uma posição com mais exigências mas é uma forma de jogar muito atrativa e onde se pratica um futebol de ataque. Vai ser um modelo para atacar com todos e defender com todos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.