África do Sul não quer organizar a CAN

O ministro sul-africano do Desporto afirmou nesta segunda-feira que o seu país não está disponível para organizar a Taça das Nações Africanas de futebol (CAN2015), caso Marrocos recue.

"Digo-vos categoricamente que não vamos acolher a competição", afirmou o ministro Fikile Mbalula, acrescentando que o país não tem condições económicas paraacolher a prova.

Marrocos, que deveria ser o palco da competição entre 17 de janeiro e 08 de fevereiro de 2015, pediu na semana passada o adiamento da prova com receio de que a recente epidemia de Ébola possa vir a ser disseminada durante o torneio.

A Confederação Africana de Futebol (CAF) rejeitou o pedido e terá sondado sete países, entre os quais a África do Sul, para receber o evento, que se disputa de dois em dois anos.

A África do Sul, o primeiro país africano a acolher um Mundial de futebol, já recebeu a CAN em duas ocasiões, ambas como segunda escolha: em 1996 depois de o Quénia ter invocado dificuldades económicas, e em 2013 devido à crise política na Líbia.

A Organização Mundial de Saúde informou na sexta-feira que o Ébola matou desde o início do ano 4.500 pessoas entre mais de 9.200 infetados e teme um expressivo aumento do número de infeções, até ao final do ano, na África Ocidental.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.